Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz querem saber se a Celbi está a interferir no processo eleitoral

Posted by

Foto: DB-Jot’Alves

A direção dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz (BVFF) pediu uma reunião de urgência ao conselho de administração da Celbi, “ao mais alto nível, no sentido de se esclarecer, cabalmente, se há um formal ou não, envolvimento da empresa, através dos seus quadros superiores, numa eventual interferência na vida da associação e no controlo do corpo de bombeiros”, lê-se na nota enviada ao DIÁRIO AS BEIRAS.

“No âmbito do processo eleitoral em curso para as próximas eleições para os órgãos sociais da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz, um nosso bombeiro, enquadrado na prestação de serviço que efetuamos na Celbi, foi formalmente chamado, no horário laboral, pelo responsável de relacionamento da empresa com o nosso contrato, ao gabinete do engenheiro João Mota [antigo comandante dos BVFF], quadro superior da Celbi, onde foi alvo de assédio e intimidação, pela atitude recente de mais de 35 bombeiros assumirem apoio à atual direção e com o anúncio de que era candidato a presidente da direção, com uma justificação torpe, anunciando a sua vontade para a nomeação de um comandante e de um 2.º comandante do corpo de bombeiros, devidamente identificados”, frisa a nota da direção dos BVFF.

A nota acrescenta que, “sabendo-se que o candidato desta pretensa lista a presidente da mesa da Assembleia Geral seria o doutor Nogueira Santos, de igual forma quadro superior da Celbi e superior hierárquico do engenheiro João Mota, a direção decidiu, com o conhecimento e concordância dos presidentes da assembleia geral e conselho fiscal”, solicitar a referida reunião à administração da Celbi.

 

Corporação pode deixar de prestar serviços na fábrica

A direção dos BVFF pretende ainda saber que “se a Celbi concorda ou não com o comportamento do seu quadro superior [João Mota] de assédio e intimidação, havido dentro das suas instalações e em horário laboral, a um bombeiro, prestador externo de serviços”. Por outro lado, questiona se pode “obter da Celbi garantias de proteção laboral aos bombeiros dos BVFF ali em serviço, a futuros atos de assédio e intimidação”. Se não houver garantias, adianta, “compreensivelmente, a associação humanitária está “disponível, com justa causa, para solucionar o contrato de prestação de serviços com a empresa”.

 

Direção exige demissão de putativos candidatos

Mudando de destinatários, a nota dos Voluntários da Figueira da Foz “exige” que João Mota, comandante do quadro de honra, se demita dos atuais órgãos sociais a que pertence, por ser inaceitável que, pertencendo a eles, disso se aproveite para andar a minar, a dividir, a levantar infundadas suspeições”. E defende “que primeiro se demita e depois que se apresente como candidato”.

“De igual forma, e pelo anúncio feito, em alguns convites recusados para integrar a tal lista, com o nome do doutor Nogueira Santos para presidente da mesa da assembleia geral, que isso se esclareça e, se for verdade, que se demita dos órgãos sociais a que pertence, por ser inaceitável que, pertencendo a eles, disso se aproveite para provocar uma divisão artificial e negativa para a imagem da nossa associação”, conclui.

Contactado pelo DIÁRIO AS BEIRAS, Nogueira Santos não quis prestar declarações. Apesar das tentativas, até à hora desta publicação, não foi possível contactar João Mota.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.