Arquitetos sublinham reconhecimento da UNESCO e defendem “política responsável”

Posted by

FOTO DR

A Ordem dos Arquitetos sublinhou hoje o “reconhecimento” por parte da UNESCO, defendendo uma “política responsável para a paisagem nacional”, a propósito das classificações de Património Mundial atribuídas a monumentos em Braga, Mafra e Coimbra.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a direção da Ordem dos Arquitetos “saúda todos aqueles cujo contributo” levou Portugal “mais uma vez a integrar a lista de classificação” de Património Cultural Mundial da UNESCO.

O Real Edifício de Mafra e o Santuário do Bom Jesus (Braga) elevaram para 17 os bens portugueses Património Mundial da UNESCO, que incluiu também o Museu Nacional Machado de Castro na área classificada da Universidade de Coimbra.

A decisão de incluir estes dois monumentos e o museu ocorreu no domingo, na 43.ª Sessão do Comité do Património da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), que está a decorrer em Baku, no Azerbaijão, até quarta-feira.

“Para nós, arquitetos portugueses, trata-se tão só do reconhecimento de dois magníficos conjuntos na paisagem nacional, entre tantos outros, que testemunham para as sucessivas gerações, os sonhos, os anseios e as ambições de quem fez nascer a obra”, salienta aquele organismo que representa os arquitetos, no comunicado.

Sobre estas classificações da UNESCO, a Ordem defende: “Esta é a nossa cultura, é de todos, e, por isso, devemos também ambicionar por uma política responsável para a paisagem nacional, de linhas orientadores que permitam, na medida do possível, conciliar o futuro com o nosso passado. A isto se chama identidade”.

As novas inscrições juntam-se ao Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém, em Lisboa; ao Convento de Cristo, em Tomar; ao Mosteiro da Batalha; à Zona Central da Cidade de Angra do Heroísmo, nos Açores; ao Centro Histórico de Évora; ao Mosteiro de Alcobaça; à Paisagem Cultural de Sintra; ao Centro Histórico do Porto; à Ponte Luiz I e ao Mosteiro da Serra do Pilar, bem como aos Sítios Pré-Históricos de Arte Rupestre do Vale do Rio Côa e de Siega Verde.

A lista da UNESCO em Portugal integra ainda a Floresta Laurissilva, na Madeira, o Alto Douro Vinhateiro e Centro Histórico de Guimarães, a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, bem como a Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e suas Fortificações.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.