Castanheira de Pêra: “Ninguém nos perdoará se não fizermos”

Posted by

LUSA Paulo Novais

Perante as dificuldades de limpeza de terrenos rurais, que se avolumam nesta época do ano, o primeiro-ministro disse ontem – ao assinalar os dois anos da tragédia de Pedrógão Grande – que, quanto aos terrenos particulares, “o direito da propriedade é fundamental, mas o direito à vida ainda é mais fundamental. Quando há um conflito de direitos é optar por aquele que é mais importante salvaguardar. Não há nada mais importante de salvaguardar do que o direito à vida”.

António Costa reconheceu que as causas profundas dos incêndios florestais “nunca serão resolvidas” a partir dos meios de combate. Assim, colocou a tónica na prevenção, desabafando que, “depois de 2006, muitos acreditaram que estávamos a salvo e as alterações que tinham sido feitas na Proteção Civil e as estatísticas de redução de áreas ardidas significavam que tínhamos virado uma página “, disse o responsável do Governo.

Texto António rosado com Lusa

 

Ver notícia completa na edição de hoje, terça feira, 18 de junho, do Diário As Beiras

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.