Opinião – Os maluquinhos de Arroios

Posted by

Estamos em 2019 e todo o imenso Portugal foi ocupado pela geringonça. Mesmo os democratas-cristãos da pequena aldeia entre a Alameda e os Anjos onde habitam os irredutíveis de Arroios, decidiram este ano entregar-se aos invasores. Que grandes malucos, estes de Arroios! Para eles, o próximo dia 17 de Maio é dia de celebrar a freguesia como sendo um local de todos e para todos, um lugar de inclusão. Por isso, propuseram que o dia de luta internacional contra a homofobia e a transexualidade fosse assinalado com a colocação de passadeiras arco-íris na Avenida Almirante Reis em frente dos sinais luminosos para passagem de peões junto aos números 1 e 13, para onde certamente se deslocarão depois de assistirem ao hastear da bandeira do arco-íris na varanda do Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Lisboa.
Depois de em 2001, o CDS ter votado contra as uniões de facto, naquela que foi a primeira grande vitória do movimento LGBT em Portugal. Depois de o mesmo CDS ter votado contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, corria o ano 2010. E ainda de se ter oposto à adopção de crianças por casais homossexuais em união de facto e por casados com cônjuges do mesmo sexo, eis que, em Arroios, o CDS defende, e cito, “o apoio para o respeito dos direitos dos homossexuais e de lésbicas de todo o Mundo”. É caso para perguntar: quais direitos? O direito de cruzar a estrada numa passadeira arco-íris ou os direitos efectivamente reivindicados pela comunidade LGBT?
Depois do incidente Robles, eis o CDS de Arroios a resvalar para o populismo, mera falta de vergonha ou irresponsabilidade política. Pode ser tudo junto, ou mera exaustão social. Certamente fartos de se sentirem excluídos, decidiram este ano juntar-se às festividades. Hão-de fazer como alguns vegetarianos que nesse dia poderiam abeirar-se da cervejaria Portugália e pedir um bife à casa. É só hoje, ninguém leva a mal, dirão eles.

One Comment

  1. Susana Nikolaïdes says:

    O Sr. Paulo Almeida, em Coimbra, lá estará como que no seu paraíso, pois em Coimbra é onde se encontram equipas de trabalho onde a competência não tem porta de entrada, mas tem de saída, e onde a propriedade mais querida, é a de se ser um elemento fervoroso da ala conservadora da ICAR.
    Coimbra é conhecida por expulsar membros das suas equipas, por exemplo, por estes defenderem outras orientações sexuais que não a do grupo tribal dos hirsutos primatas dominantes, ainda que os saneados, expulsos, não pelejem em causa própria.
    E há lá altruísmo maior do que pelejar em causa de outrém ( seja na saúde, seja na doença) ó Sr. Paulo Almeida?
    O Sr. Paulo Almeida parece que afinal de pó crístico na algibeira, lá terá muito poucochinho. Mas de vómito de Cirilo de Alexandria, logo, logo, ver-se-lhe-á, no compósito, toda a semelhança.
    Aos Cirilos e Cirilas deste Mundo, aplicar-se-ia de bom grado, não o Selo de Todos os Pais e de Todas as Mães, mas o Sétimo. O Sétimo Selo. E sem direito a Retorno.
    Mais uma exemplificação do grupo tribal dos hominídeos dominantes de Coimbra, aka, os Poucochinhos.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.