Investigadores de Coimbra identificam processo chave na clonagem de plantas

Posted by

Uma equipa de investigadores identificou o “processo chave na clonagem de plantas”, descoberta que constitui mais um passo para obtenção de plantas através desta técnica e sua exploração comercial, anunciou hoje a Universidade de Coimbra.

A investigação liderada pela Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra (FCTUC) “deu mais um passo na complexa tarefa de perceber o que acontece no processo de clonagem ‘in vitro’ por embriogénese somática”, de forma a permitir a exploração comercial da técnica, afirma a instituição numa nota enviada hoje à agência Lusa.

A clonagem em meio artificial por embriogénese somática – “ferramenta para a rápida clonagem de espécies” – traduz-se, explica a FCTUC, na “capacidade de obtenção de plantas a partir de embriões que não têm origem na reprodução sexuada, mas sim em células do corpo”.

Já publicado na revista científica Frontiers in Plant Science, o estudo foi desenvolvido pelo Laboratório de Biotecnologia do Centro de Ecologia Funcional do Departamento de Ciências da Vida da FCTUC, com a participação do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC) e do ITQB (Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier), da Universidade Nova de Lisboa.

A clonagem de plantas através de embriogénese somática apresenta-se como “uma técnica muito promissora”, mas a sua aplicação em larga escala “ainda não é possível em muitas espécies com interesse económico e florestal, sobretudo em plantas lenhosas (árvores e arbustos)”.

Usando como modelo o tamarilho (“espécie arbórea da família do tomateiro e da batateira, com elevada capacidade de regeneração e interesse comercial”), os investigadores descobriram que a proteína NEP-TC “assume um papel fundamental neste método de clonagem ao regular alterações do RNA, material genético que medeia a síntese proteica, influenciando assim as taxas de propagação”.

A informação agora obtida, após um longo estudo que se iniciou há vários anos sob coordenação do professor Jorge Canhoto, representa “uma importante peça do intricado puzzle que controla a clonagem de plantas”, afirma Sandra Correia, investigadora do projeto.

“Identificámos um dos caminhos de um imenso labirinto de vias e interações que ocorrem neste sistema de propagação”, salienta Sandra Correia.

A seguir, refere a investigadora, citada pela FCTUC, “é necessário estudar e compreender a funcionalidade desta proteína em diferentes estádios de desenvolvimento da planta e em diferentes etapas do processo de clonagem, bem como analisar e validar a sua funcionalidade quando interage com outras proteínas envolvidas na mesma via de regulação”.

Só depois de decifrar todos os percursos desta difícil encruzilhada, “conhecendo todos os modeladores que interferem neste processo de clonagem, se poderá caminhar para soluções que permitam ultrapassar as dificuldades de clonagem noutras espécies arbóreas”, observa a investigadora da FCTUC.

A grande vantagem da propagação através de embriogénese somática “é o número de plantas que permite obter face a uma multiplicação convencional”, acrescenta a bióloga.

“A partir de uma ínfima fração de tecido vegetal da planta-mãe, por exemplo da folha, consegue-se obter centenas de embriões somáticos idênticos, ou seja, é possível manter as características originais com interesse e garantir uma produção rápida e consistente”, explica Sandra Correia.

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia financiou o trabalho da investigadora Sandra Correia com duas bolsas.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.