Cidadãos por Coimbra pedem demissão de presidente dos Hospitais de Coimbra

Posted by

 

Pedro Ramos

O movimento Cidadãos por Coimbra (CpC) pediu hoje a demissão do presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), por este não ter anunciado a localização da nova maternidade da cidade na data exigida.

Em 21 de maio, o movimento tinha dado 1 de junho como data limite à administração do CHUC para o anúncio do plano de localização das diferentes valências, serviços e especialidades na cidade de Coimbra, com especial enfoque para a nova maternidade da cidade, sendo que não obteve qualquer resposta por parte do responsável máximo dos Hospitais de Coimbra, Fernando Regateiro, afirmou hoje o coordenador do CpC, Jorge Gouveia Monteiro.

“Sentimo-nos defraudados. Empenhámo-nos para que a discussão fosse limpa e clara e está a ser tudo menos isso. Há cerca de uma semana fizemos uma nota final ao professor Fernando Regateiro para que apresentasse o plano de localização. Visivelmente, está na cabeça dele mas não quer divulgar e a ministra da Saúde está calada. [..] Resta-nos pedir a demissão do presidente do conselho de administração [do CHUC]”, disse Jorge Gouveia Monteiro, que falava à agência Lusa à margem de uma conferência de imprensa realizada hoje à tarde, à frente do Hospital.

Segundo o coordenador dos Cidadãos por Coimbra, o movimento não tem “nada contra” o presidente do CHUC, mas vincou a necessidade de “transparência e democracia” em torno deste processo.

Jorge Gouveia Monteiro recordou que, em outubro, Fernando Regateiro, num debate promovido pelo movimento, garantiu a publicação de um plano de localização das várias valências hospitalares em Celas e nos Covões (que fazem parte do CHUC).

“As pessoas que trabalham nas duas maternidades existentes [Daniel de Matos e Bissaya Barreto] precisam de saber quando e onde vai ser construída a nova maternidade. A nova maternidade é a alavanca para esclarecer todas estas questões que levantamos”, vincou o coordenador do CpC, frisando que Câmara, Assembleia Municipal e Comunidade Intermunicipal de Coimbra já tomaram posição a favor da localização da nova maternidade no Hospital Geral (Covões).

Questionado pela agência Lusa, o gabinete de comunicação do CHUC, sem responder ao pedido de demissão, referiu que “está praticamente finalizado o estudo sobre a melhor localização” para os serviços de obstetrícia e neonatologia do CHUC, “tendo em conta a tipologia da procura obstétrica”.

“O programa funcional encontra-se numa fase avançada de revisão. Está também em fase final de elaboração o caderno de encargos para lançamento do concurso do projeto de execução das obras”, acrescentou o CHUC.

Em dezembro de 2016, o anterior ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, anunciou a construção de uma nova maternidade para Coimbra para substituição das duas existentes [Bissaya Barreto e Daniel de Matos], que realizam aproximadamente 2.500 partos e cerca de 18 mil consultas por ano.

Em março de 2017, o Governo constituiu um grupo de trabalho – integrado por dois elementos da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, dois representantes do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e um da Câmara Municipal – para estudar a localização da nova maternidade.

A secção regional do Centro da Ordem dos Médicos denunciou, no final de 2018, que “as maternidades de Coimbra estão a degradar-se, sem atualização de equipamentos e infraestruturas, com os profissionais em dois edifícios distantes, aguardando, precisamente, a construção de uma única maternidade.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.