Opinião – “A promiscuidade entre política, sindicalismo e ordens profissionais (1)”