Opinião: Falta um ícone turístico

Posted by

A maioria das pessoas não sabe localizar no mapa o pequeno concelho de Arouca, 22 mil habitantes. Mas quase todas essas mesmas pessoas sabem o que são “os passadiços do Paiva”. Muitas já fizeram o percurso a pé, subindo e descendo centenas de degraus em madeira ao longo do rio Paiva.

A atração pelos passadiços é tão grande que houve necessidade de limitar o número de visitantes a 3500 por dia. Os passadiços já ganharam vários prémios internacionais de turismo e são o ícone do concelho de Arouca, uma atração à escala nacional e internacional. Custaram menos que as atuais controversas obras em Buarcos, cerca de dois milhões de euros.

Os ícones vendem bem, em termos turísticos. Há que saber criar um bom chamariz, que dê carácter e possa empolgar as pessoas, locais e forasteiros. Na Figueira não temos tido quem o saiba fazer. Apesar de estarem aqui reunidas todas as condições naturais para que haja algo de singular, um atrativo permanente e único. Mas, infelizmente, não existe.

O Museu do Sal não deu o “salto”, estagnou e está meio adormecido. O surf é uma atração limitada aos surfistas e famílias e falta-nos uma onda gigante como tem a Nazaré. O casino continua a atrair gente, mas não é “o” casino, é um entre Espinho e Lisboa.

Precisamos de um investimento que rasgue fronteiras e consiga colocar a Figueira no mapa. Não será preciso um arquiteto de fora, nem um iluminado, o que necessitamos é de uma ideia forte que a cidade possa agarrar e consiga deslumbrar quem nos visita, sejam passadiços à volta da serra, um edifício subaquático…!

One Comment

  1. João Correia says:

    Tens razão … mas ou as terras são por si só iconicas ou inventar ícones pode resultar, mas por curtos períodos. A Figueira tem a praia e o sol mas também o vento e o nevoeiro … tem um monte a que chamamos Serra, que demora a reflorestar e a ganhar vida e acção … a cultura com as exposições, espetáculos e festivais, o museu … tem ainda o Enduro que enche a cidade, mas falta-lhe maratonas e outras … o rio e o mar, os barcos, passeios …. a gastronomia cuidada pode ser um ícone… a calma, as áreas verdes, os passeios na margem do rio e do Mar, a ciclovia… estará letárgica agora, porque cidades como a Figueira vivem de ciclos. De momento a Figueira tem um ícone, são as obras de necessidade duvidosa que se arrastam e afastam os visitantes. Concordo contigo, ideias e muita dinâmica

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.