Arroz de Lampreia servido em 12 restaurantes por 20 euros a dose em Penacova

Posted by

Centenas de lampreias, confecionadas à boa maneira tradicional de Penacova, com arroz e grelos a acompanhar, vão ser servidas à mesa ao longo dos próximos três dias, assinalando o 21.º Festival Gastronómico da Lampreia.
Nas cozinhas dos 12 restaurantes aderentes à iniciativa, dinamizada pelo município, tudo está preparado para receber os milhares de visitantes esperados, até porque o arroz de lampreia já tem vindo a ser confecionado diariamente desde o início do ano, ou seja, assim que abriu a época 2019, que se estende até ao início de maio.
A diferença entre os restantes dias e o período de realização do Festival da Lampreia, entre amanhã e domingo, é que os preços estão tabelados nos diversos restaurantes aderentes, com valores de 60 euros por cada lampreia servida a grupos à mesa, e dose individual de 20 euros. Acresce oferta de sobremesa, desde que sejam as tradicionais Nevadas de Penacova e Pastéis do Lorvão, numa comparticipação do município.
O presidente da câmara, Humberto Oliveira, sublinha que “através deste ex- -libris gastronómico faz-se a promoção do território”, acrescentando que “é em Penacova que o arroz de lampreia é melhor confecionado e é mais saboroso”.
Trata-se de uma das grandes festas que se realizam no concelho de Penacova, tal como são os festivais dos “Sabores do Rio” na primavera, e “Sabores da Terra”, no outono. A esta oferta de boa mesa local acresce a Feira do Mel e do Campo, a decorrer a 8, 9 e 10 novembro.
Este ciclo gastronómico anual começa, portanto, agora, com a lampreia como especialidade deste concelho serrano, que beneficia do facto da “carne” se tornar mais saborosa depois dos animais subirem o rio, batendo nas pedras e perdendo o sabor do mar adquirido durante os dois ou três últimos anos, de um ciclo de vida de oito anos. Sobem o rio no final do inverno e início da primavera, para fazer a desova e morrer. Caso as lampreias sejam pescadas a jusante, antes de fazer o caminho das pedras, passam cerca de uma semana em tanques dos restaurantes, onde tem lugar processo semelhante ao da natureza.

Especial publicado hoje no DIÁRIO AS BEIRAS

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.