Três discotecas emblemáticas com quase 40 anos na região Centro

Posted by

Das dezenas de discotecas que existiam nos anos 1980 na região Centro, são poucas as que hoje mantêm um funcionamento regular e que continuam a atrair clientes nacionais e estrangeiros.

Em Meirinhas, a cerca de 12 quilómetros de Pombal, situa-se um caso de longevidade quase ímpar no “campeonato” das discotecas que mantêm as portas abertas: a Palace Kiay vai a caminho dos 37 anos de existência e os proprietários – Jorge Duarte e a mulher, Lara Prince – apontam a “persistência, a perseverança”, o gosto pela gestão daquele espaço de diversão e o investimento constante na inovação como segredos para manter a discoteca em funcionamento.

“Não tinha experiência nenhuma em discotecas. Só como frequentador”, recorda à agência Lusa Jorge Duarte, que se lançou no ramo com 22 anos. Ainda hoje, com 58, quando a festa termina, é ele que habitualmente fecha a porta da Kiay.

“Inventei o nome para parecer bonito e fácil de divulgar. A coisa pegou: era o palácio do último grito, Palace Kiay”, afirma, com orgulho, o proprietário.

Também em França, a Palace Kiay é conhecida: implantada em Pombal, zona de forte emigração, apostou sempre na promoção em Paris e, até hoje, a discoteca abre todos os dias nos meses de agosto, com DJ e música francesa, a pensar na comunidade emigrante que faz férias em Portugal.

Com um escorrega famoso que desce do último andar à entrada, quatro espaços distintos e capacidade para cerca de duas mil pessoas, a discoteca de Meirinhas caracteriza-se por ser intergeracional.

Mais a norte, junto à mesma estrada nacional 1, na Mealhada, a Três Pinheiros é contemporânea da Palace Kyay (abriu dois anos antes, em 1980) e é outro exemplo de longevidade. “No auge dos anos 80 tínhamos três salas a funcionar, sempre cheias. Três mil pessoas lá dentro e filas de gente cá fora, a querer entrar”, relembra Cláudio Pires, 50 anos, proprietário e DJ ocasional, 38 anos ligado à Três Pinheiros.

Nos dias de hoje, a discoteca da Mealhada continua a funcionar, duas noites por semana. Adaptou-se aos tempos, mudou a música (“som da frente” às sextas, revivalismo ao sábado).

Em Coimbra, na zona da Pedrulha, na parte norte da cidade e também com vista para o IC2, resiste “mais como danceteria do que como discoteca” e com uma clientela “bastante mais velha” a Broadway, com origem em 1987. O arranque quis vincar a diversidade da Broadway, com a abertura feita ao som de Tony de Matos e a segunda noite com Lena d’Água: “Ali, a água misturava-se com o azeite”, recorda Mário Oliveira. O espaço possuía uma orquestra própria, com dez músicos e dois cantores, que tocavam no início de cada noite “rumbas, pasodobles e chachachás”.

“Era uma sala de espetáculos, um baile dos bombeiros e uma discoteca. Tudo num único espaço”, resume Mário Oliveira, que já saiu da gerência do espaço há quase 20 anos.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.