2,3 milhões para melhorar rastreio do cancro da mama

FOTO DR

O Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (NRC-LPC) assinou ontem, com a Fujifilm Portugal, um protocolo que vai permitir a aquisição de novas unidades móveis de rastreio do cancro da mama.

No total, são 2,3 milhões de euros, em unidades que estarão dotadas com a tecnologia de mamografia digital direta e tomossíntese.

“Esta tecnologia é uma espécie de TAC da mama, em que, em vez de serem colhidas duas imagens, são colhidas 125 ou 150, e tem vantagens sobretudo para mamas densas, que é um dos problemas da mamografia”, destacou Carlos Oliveira, presidente cessante do NRC-LPC.

 

Notícia completa na edição de 22 e 23 de dezembro

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.