Opinião: As vítimas da tempestade

Posted by

Felizmente não houve mortos nem feridos graves. É necessário enaltecer e relembrar tal facto, dada a violência inesperada da tempestade Leslie.

A limpeza dos estragos mostrou diferentes tipos de atitude. Parte da população limpou imediatamente o seu quintal, a entrada do seu prédio e mesmo a sua rua. Felizmente há ainda um certo bairrismo, os vizinhos juntam-se e organizam-se para limpar e “fazer com que a vida regresse ao normal”. Em sociedades urbanas, a organização, e limpeza do espaço público, dão-nos confiança e permitem uma sensação de conforto e paz.

Outros cidadãos escolheram a via do “bota abaixo”. Mesmo em frente à porta do seu comércio, e da sua casa, não limparam. Não varreram, encolheram os ombros e lamentaram que “a Câmara ainda não tivesse limpo”. Nestas alturas as redes sociais são varridas maioritariamente por uma onda de maledicência, critica-se tudo e todos com nenhum bom senso e de forma destrutiva.

O oportunismo político de alguns veio ao de cima. A vítima foi o comandante dos Bombeiros Municipais. Ainda os ventos não tinham serenado, já o ex-vereador Lídio Lopes, e ex-chefe da proteção civil, aparecia nos órgãos de comunicação social a exigir a maltratar e pedir a demissão do comandante dos Bombeiros.

A ânsia de protagonismo não tem limites. O aproveitamento político da tempestade por estes dias mostra que continuamos a ter atores políticos sem escrúpulos e que se colocam em bicos de pé em qualquer situação.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.