Opinião: “A estrada da Beira e a beira da estrada”

Posted by

Nem sempre percebemos o alcance de determinados “jargões ou chavões” que se assimilam e se embrenham na linguagem política, que são utilizados por e tecnocratas decisores, servindo como argumento a opções e escolhas realizadas. Banalizam-se os conceitos, com decisões erradas por conta.

Hoje falo então de “descarbonização”. Esta palavra surge no panorama mundial como a necessidade de se reduzirem as emissões de dióxido de carbono, o CO2, defendendo a transição para uma economia mundial com baixo teor de carbono, sobretudo nos territórios com alta densidade populacional e condições climáticas e geográficas complexas.

Não estará a Figueira assim tão exposta certamente. Mas as obras de regeneração urbana visam promover a descarbonização da cidade e o apoio da União assim o exige. Ora cortar árvores não é grande ideia…mas suprir as fortes debilidades da Figueira em transportes urbanos, sem transportes públicos integrados e articulados, esse sim seria o objectivo com que se poderia promover a descarbonização almejada!

A maior incongruência destas obras e a “descarbonização” é ignorarem a necessidade de investimento num sistema de mobilidade urbano articulado e intermodal, sem o qual nenhum efeito de descarbonização se produzirá no longo prazo. Pois já diz o povo que não se deve confundir a estrada da Beira com a beira da estrada!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.