Opinião: O convívio

Posted by

No meio do futebol, dos meninos tailandeses presos na gruta, dos problemas do Serviço Nacional de Saúde, das greves dos professores e, localmente, do Sunset, passou de forma discreta a visita a Portugal do Príncipe Aga Khan, líder espiritual dos ismaelitas, uma corrente do xiismo.

Celebra-se o jubileu do Príncipe e acertaram-se pormenores da instalação, em Portugal, do seu gabinete.
Independentemente das vantagens que resultam da acção da Fundação Aga Khan entre nós, este episódio cota o nosso país como um espaço de convívio pacífico entre adeptos de espiritualidades várias. Um adquirido relativamente recente e cujo valor não deve ser apoucado.

Esta notícia recorda que passa hoje mais um aniversário da morte de Alfred Dreyfus ( 1894-1935 ), um oficial do exército francês, que foi o centro de uma intensa polémica que marcou o final do séc. XIX.

Dreyfus, um judeu, foi acusado de traição à pátria e de espionagem a favor dos alemães. Ao que ficou depois demonstrado, a acusação era uma maquinação que tinha como pano de fundo o conflito que se vivia na IIIª República Francesa. Condenado a prisão perpétua e objecto de humilhação pública, Dreyfus veio mais tarde a ser reabilitado, tendo-se levantado a seu favor um conjunto de personalidades. Émile Zola foi porventura a mais destacada delas, através do famoso “J’accuse”.

Ficou sempre no ar a ideia de que as filiações de Dreyfus foram decisivas para a conjura que contra ele se montou. A intolerância religiosa, em geral, e o anti-semitismo, em especial, são histórias antigas.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.