Opinião – Miscelânea

Posted by

Gostaria de vos falar hoje de alguns assuntos, uns que me preocupam, outros seguramente menos importantes, mas que estão permanentemente em notícia.

O primeiro de todos é curvar-me perante as vítimas da terrível tragédia de Pedrógão Grande, 1 ano depois da mesma, acompanhando uma dor que perdura para sempre nos nossos corações quando se perde um ente querido.

Estarão, aqueles que partiram, seguramente em Paz, mas não estamos nós que ficámos.

Independentemente das responsabilidades de muitos envolvidos, o que nos interessava era ter a certeza de que tudo estava a ser feito para reparar os danos incalculáveis que o fogo provocou.

A segunda questão prende-se com a greve dos Professores às provas de avaliação dos nossos alunos. O Sr. Mário Nogueira, que já aqui apelidei de Ministro da Educação, continua diariamente a ter tempo em todos os canais de televisão, a justificar o injustificável. Eu que fui sujeito a 9 provas públicas para atingir o topo da carreira, nunca consegui perceber porque os Professores a querem atingir apenas pela passagem dos anos. Quando o Ministro Crato introduziu provas de avaliação caiu o “carmo e a trindade” e este Ministro acabou rapidamente com elas.

Como sabem, a greve será só efetuada no setor público onde os Professores são seguramente mais bem pagos, e cujas regalias são incomparavelmente maiores que no setor privado. E depois admiram-se da primeira escola pública aparecer em 28º lugar no ranking nacional, e haver noticias que dizem que mais de 50% dos alunos do 6º ano não sabem localizar Portugal no mapa.

Sempre fui contra as greves na minha vida profissional, pois achava e acho, que o doente não tem que suportar as lutas políticas sindicais.

No caso dos Professores, entendo que os alunos não merecem este tipo de tratamento pois não têm qualquer culpa nas reivindicações daqueles que eles deviam admirar como seus mestres, quer no plano da instrução, quer no plano educativo.

Em terceiro lugar, a crise no futebol, uma das maiores indústrias a nível mundial, atingiu limites até há pouco, completamente impensáveis.

Confesso-vos que tendo sido sempre um adepto do futebol, o mesmo ultimamente perdeu grande parte, senão quase a totalidade, do seu encanto para mim.

As questões que envolvem grande parte das equipas portuguesas levam-me a pensar que afinal aquele que chamamos de “desporto rei”, é uma fraude completa que envolve atitudes e comportamentos que, se devidamente, explorados e julgados, nos levariam ao caos completo, pois tudo afinal foi uma mentira, que como todas as mentiras, se compram e se vedem com os milhares de milhões de euros que em nome do futebol circulam.

Não sei se tal situação já chegou ao nível das Seleções, mas tenho uma secreta esperança que não, e por isso a 3 dias de Portugal iniciar a sua participação no campeonato do Mundo, resta-me desejar a maior das sortes, na certeza de que temos uma magnífica equipa que poderá trazer-nos grandes espetáculos.

Termino com aquela que me parece ser uma boa notícia e um início, provavelmente, de uma nova ordem mundial. A Coreia do Norte e os Estados Unidos, ao nível de presidentes encontraram-se em Singapura, na Ilha de Sentosa, para iniciar um diálogo que poderá abrir novos caminhos na busca da Paz.

A paupérrima população da Coreia do Norte, comandada por uma brutal ditadura, estará disposta a iniciar a desnoclearização? E, se tal acontecer, os Estados Unidos, estarão prontos para levantar as sanções que sobre aquele País imperam? O que poderia levar à unificação das duas Coreias e a um passo gigantesco para a Paz daquela região do Mundo.

Um último desejo, que possamos ter finalmente uns dias de Sol neste nosso maravilhoso Portugal, pois confesso-vos que a chuva, que tão precisa foi, já quase não consigo suportá-la.

 

One Comment

  1. Humanismo….comovida com o texto que acabei de ler.Bem haja….

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.