Opinião: De Aeródromo a Aeroporto

Posted by

Nas autárquicas fomos surpreendidos com a proposta de Manuel Machado em transformar o Aeródromo de Cernache em Aeroporto, internacional porque para uma utilização em voos low cost a isso obriga.

A proposta em ambiente eleitoral para alguns resultaria de dificuldades, na gíria política uma fuga para a frente, anunciada na presença do Primeiro-ministro António Costa. Porém, quem o conhece ou com ele trabalha bem sabe que assim não é. Tem a particularidade de ler e estudar os dossiers. Não é dado a palavras e promessas fáceis. Já tinha ponderado e a certeza de que o projecto é exequível e conhece as dificuldades à regular utilização de Monte Real.

Falamos da perda de peso político de Coimbra, mas quando alguém é capaz de propor romper a rotina surgem logo reservas e desconfianças. Quando referimos Coimbra sentimos toda uma região, um distrito, uma Coimbra que outrora no País foi Pólo aglutinador, cantada por trovadores, que encantou, tendo na Universidade uma referência mítica.

Mas a Coimbra desse tempo não era só a Universidade também tinha indústria dinâmica com preponderância nos têxteis, na metalurgia e na cerâmica.

Na Coimbra de hoje, ano após ano aqui se formam muitos jovens e infelizmente partem à procura de trabalho por esse País fora. Somos um distrito que vem perdendo população, por exemplo, elegíamos onze deputados e hoje elegemos apenas nove. Temos de fixar os jovens ao território onde se formam e para isso precisamos de investimento privado e investimento estrangeiro, gerador de riqueza e emprego.

O investimento estrangeiro exige recursos humanos e boas acessibilidades terrestres, marítimas e aéreas. As localizações ponderam todos estes aspectos concorrenciais. A reconversão do Aeródromo de Cernache em Aeroporto Internacional pode fazer toda a diferenciação na captação deste investimento. Estamos no tempo low cost e um aeroporto municipal, seria o primeiro em Portugal, garantiria baixos custos de utilização aos operadores, seria muito concorrencial relativamente aos restantes aeroportos.

O sonho pode virar a realidade. Sonhar com uma Coimbra viva é possível se conseguirmos romper horizontes, sem receios, reservas ou medos. Temos de conseguir um distrito renovado no qual todos os concelhos são importantes e decisivos nesta afirmação. Um aeroporto em Coimbra não é um aeroporto da cidade de Coimbra, é um aeroporto de toda uma região a permitir a dinamização do espaço territorial envolvente, com destaque para Leiria, Viseu, Figueira da Foz e Aveiro.

A proposta faz muito sentido, pode ser uma das oportunidades perdidas, senão a única oportunidade para dar a tal volta que Coimbra precisa, a tal volta por cima. Nada tenho contra Monte Real, mas depois de tantos anos a falar na possibilidade de abertura regular ao tráfego civil ainda não foi conseguido apesar de toda uma mobilização de personalidades inclusive de Presidentes de Câmara e ex-Primeiros-ministros.

Não podemos continuar a adiar as decisões e um aeroporto internacional é uma luz que pode dar mais vida à região centro, mais turismo à Figueira da Foz e mais qualidade de vida a Coimbra.

A Câmara consegue os meios financeiros para o investimento, o governo só precisa de colocar os meios humanos para o controlo alfandegário. O projecto tem rodas, precisa tecnicamente quem o empurre, vai-se escrever mais uma boa página da história de Coimbra.

2 Comments

  1. Henrique Costa says:

    Como o PS aproveita bem o desnorte do PSD… Este senhor está-se a esquecer que agora, tal como no tempo de Sócrates, Coimbra e todo o interior está a ser fortemente atacada. Usando o argumento da direita, racionalização de custos, cortam no interior. Depois, com o argumento de um estado forte gastam cada vez mais em Lisboa e Porto. Vale tudo para enganar as pessoas, que até gostam!

    • Zé da Gândara says:

      Ouça lá… O que é que o PSD fe pelo desenvolvimento do interior do país?

      O que me lembro de ter visto o PSD fazer foi pseudo auto-estradas como os IPs (essas aberrações que ainda continuam bem vivas na zona centro) que no entanto, foram bem pagas aos amigos das construtoras no quadro contratualizado das derrapagens orçamentais e nos últimos anos de jihad económica e fiscal, aoenas vi esse mesmo PSD trucidar o que restava do interior ao promover o desemprego como bem de exportação (ao qual cantava hossanas)…
      Que investimento digno desse nome captou o PSD pars a região centro ou mesmo para o interior nos anos da jihad económica, fiscal, social e laboral?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.