Vítima de bullying “impedida” de mudar de escola

FOTO DB/CARLOS JORGE MONTEIRO

“Manuel” (vamos chamar-lhe assim) tem 13 anos e está há mais de dois meses em casa, sem ir à escola devido a um “diferendo” entre a família e a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) do Centro.

O caso remonta ao ano letivo 2015/2016, altura em que o aluno – diagnosticado com hiperatividade e défice de atenção – frequentava a Escola EB 2,3 Alice Gouveia e onde, segundo o pai, Carlos Fonseca, terá sido vítima “de episódios de injúrias, estigmatização e até de agressões”, tendo terminado o ano internado no Hospital Pediátrico de Coimbra.

Perante o que estava a acontecer, a família e a diretora da escola acharam que a melhor decisão seria pedir transferência para outro estabelecimento de ensino. Contudo, o facto de ter faltado às últimas semanas de aulas por estar internado – o que impediu que fosse entregue ao aluno, em mãos, os documentos para realizar a matrícula – inviabilizou o processo de transferência para outra escola.

Versão completa na edição impressa

One Comment

  1. Como pode ser admissivel que a melhor solucao passe pela transferencia do rapaz, e nao por um reforco da seguranca e pela aplicacao de castigos severos aos perpetradores? Bem ao estilo Portugues, os criminosos sao defendidos e tomados por vitimas, enquanto que as verdadeiras vitimas sao instrumentalizadas e ignoradas – tudo para que nao se abdique do politicamente correcto. O que me leva a crer que os agressores pertencerao a minorias etnicas ou a escumalha bairrista, que tantos votos garantem ao Partido Socialista.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.