Opinião: 25 de Novembro

Posted by

 

José Fernando Correia

 

Estão prestes a cumprir-se 42 anos sobre o 25 de Novembro de 1975, um golpe/contra-golpe que marca o fim do chamado “verão quente”. Se é certo que os exactos contornos do episódio suscitam, ainda hoje, polémica – designadamente, a respeito do papel do PCP nos acontecimentos – o facto é que, naquele então, se confrontavam duas visões distintas sobre o futuro da sociedade portuguesa.

Por um lado, um grupo de militares e de partidos da extrema-esquerda que reclamavam para si a legitimidade revolucionária do 25 de Abril e, em oposição, um outro conjunto de militares (liderado pelo chamado “grupo dos 9”) e os partidos do PS (inclusive) para a direita que contrapunham a sua legitimidade democrática, decorrente dos resultados das eleições para a Assembleia Constituinte do Abril anterior. O primeiro dos colectivos subscrevendo um modelo do tipo “democracia popular”, o segundo apontando para um modo de organização política, económica e social alinhado com os países mais avançados da Europa Ocidental.

Conhecemos hoje o desfecho dessa contenda e devemos, julgo eu, celebrá-lo. Ainda que o combate tenha tido uma componente militar forte, convém enfatizar o papel do PS na disjuntiva com que o país esteve confrontado. E a definição do lado em que o PS esteve no 25 de Novembro, e ao longo de todo o “verão quente”, foi resultado directo da escolha que, em Dezembro de 1974, no 1º Congresso na legalidade, o PS fez. Esse momento, em que Mário Soares derrota Manuel Serra e escolhe a via moderada e reformista, decide muito do futuro de Portugal.

2 Comments

  1. O Carbonário says:

    Não sei porque falam sempre do "papel polémico" do PCP. O 25 de Novembro foi essencialmente dirigido ao COPCON, que não era controlado pelo PCP. O comandante do COPCON, Otelo Saraiva de Carvalho, não podia e nem pode ver comunistas à frente.

  2. "Esse momento, em que Mário Soares derrota Manuel Serra e escolhe a via moderada e reformista, decide muito do futuro de Portugal."

    O mesmo Mário Soares que enriqueceu à conta do morticínio dos inocentes elefantes em África.
    Torres de Marfim. Tudo Torres de Marfim.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.