PAN quer impedir morte do galo em Seia

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza pretende impedir a prática da “morte do galo”, anunciada para as festas do Santíssimo Sacramento, em Várzea de Meruge, no concelho de Seia, de 8 a 11 de setembro.

Em comunicado, o PAN refere que a prática, em que o galo “é agredido sucessivamente com um pau até morrer”, foi denunciada junto do Ministério Público, da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e da Câmara Municipal de Seia, no distrito da Guarda.

Segundo o PAN, o ritual, apresentado no programa das festas “na qualidade de atividade de entretenimento”, ocorrerá a 11 de setembro no recinto da festa, junto à Casa do Povo de Várzea de Meruge, “local onde um galo é preso perante a assistência ao mesmo tempo que são vendadas as pessoas que se inscrevem para participar” no “’jogo’”.

“Estas pessoas são chamadas uma a uma, tendo na sua posse um pau com o qual é suposto desferirem pauladas sucessivas até que o galo morra. O galo é consecutivamente agredido com o pau, agonizando lentamente fruto dos ferimentos, até que alguém finalmente o consiga matar. Quem conseguir por fim matar o galo ganha-o como prémio”, explica.

O PAN considera que esta prática “é ilegal e não cumpre o disposto no artigo 1.º da Lei n.º 92/95 de Setembro”, que refere serem proibidas “todas as violências injustificadas contra animais, considerando-se como tais os atos consistentes em, sem necessidade, se infligir a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões a um animal”.

Notícia completa na edição impressa de hoje

One Comment

  1. "Estas pessoas são chamadas uma a uma, tendo na sua posse um pau com o qual é suposto desferirem pauladas sucessivas até que o galo morra"
    E quem supõe isso?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.