TV por cabo ilegal era “negócio” em Arganil

Posted by

 

No âmbito da operação “Sinal Aberto”, a Polícia Judiciária (PJ), através da Diretoria do Centro, fez duas detenções por “cardsharing” (partilha ilegal de sinal de televisão), posse de armas e munições proibidas e recetação
As detenções foram concretizadas na última quarta-feira, na zona de Arganil, numa situação de flagrante delito. Os dois homens, de 40 e 46 anos, casados, são “suspeitos da prática dos crimes de burla informática, acesso ilegítimo, detenção de dispositivos ilícitos, posse de armas e munições proibidas e recetação de veículo automóvel furtado, tendo procedido ainda à constituição como arguidos de mais seis suspeitos”.
Foram concretizadas 12 buscas em residências, num estabelecimento comercial e em veículos automóveis, tendo sido apreendido diverso equipamento informático e eletrónico, que estava em pleno funcionamento, a aceder e a partilhar conteúdos de televisão, sem que para isso estivesse legalizado.

Buscas efetuadas em Coja
Fonte da PJ de Coimbra disse ao DIÁRIO AS BEIRAS que foram efetuadas buscas “em 10 casas na freguesia de Coja, no concelho de Arganil, e as outras duas também no distrito de Coimbra” e que os dois suspeitos – um ligado à informática e eletricidade e o outro mecânico de profissão – tinham “em funcionamento os aparelhos que permitiam difundir o sinal para a televisão por cabo” e que já “há mais de um ano” vendiam de forma ilegal. De acordo com a mesma fonte, “vendiam a um preço mais barato, mas que não era inferior a 10 euros”. Agora, e no âmbito de uma denúncia de uma das operadoras lesadas, foram efetuadas as buscas e as detenções, tendo sido apreendido material informático e eletrónico, designadamente diversos discos rígidos, mais de uma dezena de antenas, mais de três dezenas de “boxes”, mais de uma dezena de “switches” de rede, diversos routers, telemóveis, duas armas e munições proibidas e uma viatura automóvel furtada. Este automóvel, refira-se, foi furtado na semana passada e estava na posse dos agora detidos devido a um crime de recetação.

 

Informação completa na edição impressa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.