Opinião – Fidel

Posted by
Francisco Queirós

Francisco Queirós

Fidel Castro faleceu na noite de 25 de Novembro. O herói da Revolução Cubana ficará para a história como uma das mais importantes personalidades do século XX, mas sobretudo como um revolucionário excepcional cuja “luta, acção e palavra inspirada animaram e continuarão a animar a luta das forças progressistas e revolucionárias de todos os continentes” (Jerónimo de Sousa).
Fidel é o líder da revolução iniciada no final da década de 50 numa pequena ilha do Caribe a escassas dezenas de quilómetros do coração do Império. Cuba era então o casino, o prostíbulo, a colónia de férias e um verdadeiro “protectorado” do país do Tio Sam.
Fidel e um punhado de jovens companheiros protagonizaram e protagonizam uma das mais belas epopeias da história que passou por Moncada, pela guerrilha heróica da Sierra Maestra, libertando Cuba de uma ditadura cruel. Em Cuba, um povo inteiro mobilizou-se para a construção de uma sociedade assente nos ideais da liberdade, da paz e do socialismo. Cuba enfrentou a agressão feroz, traduzida em tentativas de invasão do território cubano, em múltiplos atentados terroristas e em centenas de tentativas para liquidar o líder da Revolução. Cuba é vítima do mais profundo e criminoso bloqueio económico pelos EUA, convictos e desejosos de serem donos de Cuba e do mundo. Fidel e os comunistas cubanos uniram e mobilizaram a energia criadora dos trabalhadores e do povo de Cuba para a construção de uma nova sociedade, liberta da exploração e da opressão imperialista, uma sociedade socialista, solidária com a luta libertadora de todos os povos do mundo.
Para a história da Humanidade ficará inscrito o papel excepcional de Fidel, revolucionário ímpar. Mas na História está já inscrito o heroísmo da Ilha da Liberdade, de um povo inteiro que não se rendeu nem vergou à mais poderosa nação do Mundo. Para a história ficará sempre o exemplo humanista deste pequeno povo humilde que soube tornar-se invencível perante falsos gigantes.
Fidel parte fisicamente. Reaccionários de muitas partes desrespeitam a dor de um povo e exibem o seu ódio perante o sonho da libertação do Homem e a dignidade dos que o procuram concretizar. Mas este é sonho mais belo dos sonhos que a Humanidade sonha. Uma terra sem amos. A luta, a acção e a palavra inspirada de Fidel animaram muitos povos da América e de todo o mundo. O seu exemplo e a coragem do seu povo continuarão a animar a luta das forças progressistas e revolucionárias de todos os continentes. Vive-se um momento em que, depois de importantes avanços de soberania e progresso social na América Latina e Caraíbas, inseparáveis do exemplo e da solidariedade internacionalista de Cuba, o imperialismo e a reacção passaram à contra-ofensiva e procuram a qualquer custo reverter conquistas e recuperar posições perdidas. Nos próximos dias, as cinzas de Fidel percorrerão o país até Santiago de Cuba, onde os seus restos mortais serão sepultados. Este itinerário é o inverso do efectuado pelos revolucionários cubanos em Janeiro de 1959.
O itinerário do futuro expressa-se nas palavras de Fidel: “Revolução é sentido do momento histórico; é mudar tudo o que deve ser mudado; é igualdade e liberdade plenas; é ser tratado e tratar os demais como seres humanos; é emanciparmo-nos por nós próprios e com os nossos próprios esforços; é desafiar poderosas forças dominantes dentro e fora do âmbito social e nacional; é defender valores nos quais se acredita acima de qualquer sacrifício; é modéstia, desinteresse, altruísmo, solidariedade e heroísmo; é lutar com audácia, inteligência e realismo; é não mentir jamais nem violar princípios éticos; é convicção profunda de que não existe força no mundo capaz de soterrar a força da verdade e das ideias”.
“Seguiremos adelante! Hasta siempre, Comandante!”

2 Comments

  1. Snr queiroz nen vale a pena perguntar a sua cor partidaria.
    Um ditador que seja da direita ao da esquerda é sempre um ditador

  2. Henrique Costa says:

    Ao ler este artigo a única pergunta que me vem à cabeça é: como é que os socialistas fizeram um acordo de governo com esta gente? Diz este senhor que Fidel disse " é defender valores nos quais se acredita acima de qualquer sacrifício". Pois disse e fez porque fuzilou muita gente que não partilhava os seus valores!!! Deus nos livre de tal gente tomar o poder em Portugal!!!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.