“Temos uma escola do século XIX, com alunos do século XXI e professores formados no século XX”

Posted by
FOTO DB/LUIS CARREGÃ

FOTO DB/LUIS CARREGÃ

A 26 de outubro de 1976, há exatamente 40 anos, foram publicados os estatutos do Sindicato dos Professores da Zona Centro (SPZC), numa data a ser assinalada durante todo o próximo ano, para encerrar, no Dia Mundial do Professor, assinalado a 5 de outubro, com um grande encontro nacional. Em entrevista ao DIÁRIO AS BEIRAS, José Ricardo, na presidência do SPZC desde 1995, deixa as linhas orientadoras e define as grandes metas que se colocam hoje, não apenas aos professores, mas à educação no país, definindo a qualificação como batalha principal

 

O SPZC assinala hoje mesmo, dia 26 de outubro, 40 anos sobre a sua fundação?

Exatamente. No entanto, apesar da data de 26 de outubro de 1976 constar como a da fundação do Sindicato dos Professores da Zona Centro (SPZC), com a publicação dos seus estatutos, não significa que a ideia da criação deste sindicato não tivesse começado a fervilhar logo a seguir ao 25 de Abril, efetivamente nas primeiras semanas que se seguiram.

Isso significa que o SPZC tem a idade da democracia?

A ideia da criação do sindicato tem exatamente a idade da democracia no país. Aliás, os professores da zona Centro, tal como os professores do resto do país, participaram logo no primeiro 1.º de Maio e em grande força. Depois, através de reuniões de escola, por concelhos, por distritos, os professores foram-se organizando. Seguiram-se reuniões de negociação, através de uma plataforma nacional, com representantes do Norte, do Centro e do Sul. Foi o processo de construção de uma organização até chegar à publicação dos estatutos, de que passam hoje os 40 anos, e que se assumiu logo numa organização por regiões.

A organização do sindicato por regiões mantém-se?

Manteve-se assim. Foi essa a opção dos professores, também porque foi entendido que essa característica atendia mais à diversidade regional das questões que se colocavam em termos do país, mantendo-se, naturalmente, a coerência nacional nas tomadas de posição e na organização das lutas. Houve então a necessidade de nos estabelecermos enquanto plataforma nacional, pelo que o SPZC foi fundador, em 1982, da FNSP (Federação Nacional dos Sindicatos de Professores), que depois, já no final da década de 80, deu lugar à FNE (Federação Nacional de Educação) por ter passado a integrar também sindicatos de não docentes. Docentes e não docentes integram desde então esta organização, juntos pela causa da educação, uma vez que nós nunca nos preocupamos apenas com as questões corporativas dos professores. Somos um sindicato que quer participar e tem participado na definição das políticas educativas a nível central.

Versão completa na edição impressa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.