Há estrogénios a mais no efluente das ETAR

Posted by

etar

A água dos efluentes das Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) tem níveis de concentração elevados de estrogénios, podendo ter “efeitos nocivos” em pessoas e animais, revela um estudo ontem divulgado.

De acordo com Ana Paula Fonseca, docente da Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Coimbra, quando estão presentes nos efluentes das ETAR, os estrogénios naturais (excretados via urina e fezes) e sintéticos (de anticoncecionais ou terapias hormonais), “podem causar efeitos adversos na saúde humana e animal”.

“Estes compostos estão incluídos na classe de disruptores endócrinos, ou seja, substâncias exógenas que agem como hormonas no sistema endócrino e causam alterações na função fisiológica das hormonas endógenas, influenciando o desenvolvimento, crescimento, reprodução e mesmo o comportamento dos humanos e animais”, explica.

Versão completa na edição impressa

One Comment

  1. Zé da Gândara says:

    Isso para o poder político não é problema algum… O Bisphenol-A também é disruptor endo crinológico e o poder político ainda não se maçou a legislar no sentido de banir artigos plásticos que contenham esse composto químico para não afrontar os amigos plastiqueiros que são em tudo muito parecidos com alguns senhores que têm a mesma actividade que teve o Sôr Manuel Godinho, que parece que andava a contas com a justiça há uns tempos… Aliás, estando mais que evidente que os plásticos são uma grande porcaria, não se compreende que não sejam "condenados" com legislação que torne socialmente censurável a sua utilização massiva, na inúmera maioria das vezes sem qualquer critério de racionalidade, por exemplo enquanto embalagem alimentar, que claro está, conta com as inenarráveis certificações conseguidas pela meia dúzia de capos que os sintetiza e industrializa e que depois servem de costas quentes aos pequenos capos que os processam…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.