Opinião: Discriminação

Posted by
Daniel Santos

Daniel Santos

É do senso comum que a democracia não se pratica sem partidos.

Por definição, será nos partidos que há de residir o fundamento de um certo modelo de organização da sociedade, da sua orientação económica e social, devendo estar-lhe subjacente a ideia de uma estratégia no sentido da criação das condições para o bem-estar geral, subordinada aos grandes princípios constitucionais.

Mas uma coisa são os princípios estatutários, outra bem diferente tem sido a prática que os subverte. Do seu desvio resulta o alheamento, a abstenção ou, nalguns casos, o surgimento dos grupos de cidadãos dispostos a protagonizar a bandeira dos interesses das suas terras independentemente de orientações ideológicas.

Em 2009, na Figueira, o grupo de cidadãos que ousou protagonizar uma candidatura pela sua terra e contra comportamentos partidários só encontrou obstáculos no seu caminho: ameaças veladas a candidatos, expulsões dos seus partidos, exigência na recolha de milhares de assinaturas e, sobretudo, a preocupação do financiamento da campanha eleitoral.

Por via da lei de financiamento dos partidos, que apenas contempla os que se encontram representados na Assembleia da República, o Estado gasta anualmente à volta de 15 milhões de euros. Será então justo não atribuir um tratamento equivalente aos grupos independentes que se proponham candidatar-se às autarquias, logo que legitimada a candidatura pela recolha de assinaturas?

One Comment

  1. Zé da Gândara says:

    Sôr Engenheiro,

    Porventura sua senhoria não estará a querer lançar mão de uma campanha de crowdfunding para se aventurar novamente nas próximas autárquicas a correr em pista própria? 🙂

    Sôr Engenheiro, conforme sua senhoria refere, ocorrem ameaças a candidatos que mandam às urtigas os partidos (que como se vê, continuam a manter o centralismo democrático à moda do PCUS em pleno século XXI, mesmo quando serão partidos que abominam os valores da esquerda em geral e do comunismo em particular)… Veja lá se lhe aparece pela frente algum Ramón Mercader de entre o seu anterior grupo de BFFs (best friends forever) de picareta debaixo de um casaco… Quem não quer ser lobo, não lhe veste a pele, já diz o povo e com razão 🙂

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.