“De que serve a liberdade de escolher um médico que não se consegue pagar?”

FOTO DB/CARLOS JORGE MONTEIRO

FOTO DB/CARLOS JORGE MONTEIRO

“O Direito à Saúde” esteve, ontem, no centro do debate, no Café Santa Cruz. O Serviço Nacional de Saúde, os direitos fundamentais e a constituição foram alguns dos temas abordados no encontro, onde a discussão “girou” à volta do conceito de “liberdade”.

“De que serve termos a liberdade de escolher o serviço de saúde que queremos se não tivermos possibilidade de pagá-lo? Mais do que um imperativo constitucional, o direito à saúde deve ser um imperativo ético!”, frisou António Arnaut, lembrando que, “antigamente, antes do 25 de Abril, as pessoas viviam com pânico de poder adoecer”.

Versão completa na edição impressa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.