Rainha Santa grita “liberdade de escolha”

Posted by
FOTO DB/LUÍS CARREGÃ

FOTO DB/LUÍS CARREGÃ

O protesto do Colégio Rainha Santa Isabel dividiu-se em duas fases. Pouco depois das 10H00, os alunos e docentes da escola desceram até à rua do Brasil e, em conjunto com os colegas do Colégio São Teotónio, deram “um abraço” conjunto “em defesa da escola”. Depois, e já no seu edifício, gritaram “a plenos pulmões” nas janelas a palavra “liberdade”.

Em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS, a docente e porta-voz Cristina Figueiredo reconheceu que o protesto de ontem mostrou que “a comunidade educativa se encontra coesa nesta matéria”, e que foi ainda mais evidente com a reunião geral de ontem ao final da tarde.

Versão completa na edição impressa

8 Comments

  1. Pedro Andre says:

    Uma vergonha querem privado paguem… logo dois Colégios a 100 m… Coimbra tem muita oferta pública.
    Nada contra até a favor desde que os pais paguem.

  2. Pedro Andre says:

    Uma vergonha querem privado paguem… logo dois Colégios a 100 m… Coimbra tem muita oferta pública.

    • Zé da Gândara says:

      Subscrevo na íntegra e dou-lhe os parabéns pela sua lucidez, assim como condeno a utilização e instrumentação dos pirralhos nestas pseudo-manifestações que conjugam os interesses dos pseudo-empreendedores que agora começam a ver o tapete a fugir-lhe dos pés e os interesses politico-partidários de uma franja da população extremista com ligação a um certo Opus e saudosista dos tempos do Botas de Santa Comba…

  3. Não existe nada ilegal! O estado continua a financiar as escolas em que não existe a escola pública e mantém os contratos durante os 3 anos! Apenas não permite a abertura de turmas de inicio de ciclo em escolas CA, desde que que haja oferta pública na zona!
    Onde está escrito nesses contratos que o estado tem de financiar N turmas de cada inicio de ciclo?
    Mostrem isso escrito no contrato!!

  4. Não existe nada ilegal! O estado continua a financiar as escolas em que não existe a escola pública e mantém os contratos durante os 3 anos! Apenas não permite a abertura de turmas de inicio de ciclo em escolas CA, desde que que haja oferta pública na zona!

    • Henrique Costa says:

      De partir o coco a rir! Quando o tribunal constitucional disse que era ilegal cortar os altos salários e pensões, exageradamente dados no passado e que levaram o estado à falência, onde estava a Isabel a dizer que não era ilegal??? Agora a história é outra! Para a F.P. todos os argumentos e o seu contrário são válidos para a beneficiar para a privada todos e o seu contrário são válidos para a prejudicar!!! É que dá ter a Coligação da Função Pública no governo!!!

  5. José Coimbra says:

    Cada um tem liberdade de escolher a escola, sem dúvida! Agora se é uma instituição privada deve-se governar como tal. Ou o Estado é mau para umas coisas e bom para outras? À pala dos subsídios estatais( ou seja do dinheiro dos contribuintes) grandes grupos privados detentores de colégios e institutos vivem á grande e criam fortunas. Se é privado viva como tal. Há muitas crianças que tiveram de abandonar as suas Escolas só porque o anterior governo Passos Coelho entendeu fechá-las e privilegiar os privados, milhares de professores no desemprego e ninguém se preocupou. Privilegiados, não! Na Dinamarca o filho dos príncipes herdeiros vai para uma Escola Pública. Aqui, os grupos privados querem é mamar na teta dos subsídios. Passem bem! Vão para a estiva!

    • Zé da Gândara says:

      Subscrevo na íntegra e apoio, assim como lhe elogio a sua lucidez de espírito. Vergonha deveriam ter os papás dos pirralhos que permitem que os pirralhos sejam instrumentalizados para este tipo de manifestações bacocas… Um dia destes vai aparecer quem entenda meter os filhos a mendigar à Romeno e também vai ser considerado e visto como normal… Vergonha e sentido de decência não é coisa que por cá abunde mas também não admira porque isto é um país que já há muito perdeu o sentido de decência… França que é um país ao qual Portugal não chega nem sequer aos calcanhares, faz ponto de honra na manutenção da escola pública como forma de promover a igualdade de oportunidades e por lá esta questão nem sequer se coloca porque até a direita entende que a escola pública é o garante da igualdade de oportunidades… Por cá, para subsidiar meia dúzia de pseudo-empreendedores que têm algum peso nas máquinas partidárias, vive-se neste chafurdo imundo… Enfim…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.