Opinião – A14

Posted by
Rui Curado Silva

Rui Curado Silva

O traçado e o sistema de portagens da A14 não foram projetados a pensar na segurança e na eficiência da ligação rodoviária entre a Figueira e Coimbra.

Claramente, as prioridades foram apresentar obra feita e cobrar portagens a todo custo. Volvidos cerca de 15 anos desde a abertura da secção da A14 com portagens, a sua taxa da utilização continua a ser extremamente baixa. Será rentável?

Grande parte dos figueirenses que se deslocam todos os dias de automóvel para Coimbra utilizam a opção rodoviária menos segura, a chamada “estrada do rio”. Outros, com menos pressa, optam pela EN111, a partir de Montemor-o-Velho, e apenas uma escassa minoria escolhe o percurso da A14, de longe o mais seguro, mas incomportavelmente mais caro.

Quem pode pagar 5€ por dia, ida e volta? Quem serve a A14? Ou melhor, a quem serviu a construção da A14? Terão sido os mesmos que decidiram entubar um afluente do Mondego com tubagem “de recurso”, “não adequada a estradas” (cito técnicos da Câmara), aquando da construção da secção Figueira – Montemor, há cerca de 22 anos?

O tempo do chico-espertismo de construção desenfreada e descuidada de autoestradas nos anos 80 e 90 já lá vai, mas ainda pagamos as consequências de irresponsabilidades passadas. Os responsáveis pela obra certamente ainda andam por aí e, provavelmente, alguns a viver bem. É o momento ideal para prestarem contas.

One Comment

  1. Zé da Gândara says:

    E vamos continuar a pagar enquanto uns certos pseudo-liberais e pseudo-capitalistas cá do burgo que abicharam as rendas das PPPs e os lucros pornográficos das concessões agora se passeiam pelo Malawi, pelo México, pela Polónia ou por Angola…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.