Investigadores da Universidade de Aveiro descobrem bactéria em mina abandonada

Posted by
FOTO DR

FOTO DR

Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) identificou uma ‘super’ bactéria (NL19) que sobrevive em ambientes extremos e produz antibacterianos que podem vir a ser usados na medicina, anunciou hoje a instituição.

A ‘super’ bactéria foi identificada na antiga mina de urânio da Quinta do Bispo, em Viseu, e isolada a partir de lamas com elevadas concentrações de metais radioativos.

De acordo com a informação avançada pela Universidade de Aveiro, está já em curso o estudo de como a bactéria pode ser aproveitada na produção de compostos bioativos, admitindo-se que os antibacterianos que a NL19 produz possam vir a ser usados na medicina, na veterinária e na indústria alimentar.

Os ambientes extremos têm-se revelado promissores como fontes para a descoberta de microrganismos com potencial biotecnológico, o que levou a equipa de investigação às minas de urânio já desativadas da Quinta do Bispo, onde muitos resíduos apresentam elevadas concentrações de metais e radionuclídeos da série do urânio.

Batizada pela equipa do Laboratório de Biotecnologia Molecular (LBM) do Departamento de Biologia com o nome científico “Pedobacter portucalensis”, uma nova espécie do género Pedobacter, a descoberta da NL19 veio cumprir um dos objetivos do grupo: estudo e descoberta de microrganismos capazes de ajudar a Ciência na produção de novos antibacterianos.

“Esta estirpe produz antibacterianos contra uma gama de bactérias importantes não só na medicina, mas também na indústria de alimentos, na aquacultura e na agropecuária”, refere Sónia Mendo, coordenadora do LBM.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.