Defesa da inspetora da PJ acusada de matar avó do marido ouvida hoje no Supremo

Posted by
Arguida junto da advogada Mónica Quintela. FOTO CARLOS JORGE MONTEIRO

Arguida junto da advogada Mónica Quintela. FOTO CARLOS JORGE MONTEIRO

A defesa da inspetora da PJ Ana Saltão, acusada de matar a avó do marido, em 2012, apresenta hoje as suas alegações em audiência no Supremo Tribunal de Justiça, após a condenação da arguida a 17 anos de prisão.

A audiência, requerida pela advogada de defesa, Mónica Quintela, está marcada para as 10h30, sendo possível que se conheça ainda hoje a decisão do Supremo Tribunal de Justiça.

A inspetora da Polícia Judiciária, acusada de matar a avó do marido a tiro, foi condenada a 17 anos de prisão pelo Tribunal da Relação de Coimbra, em maio de 2015, depois de ter sido absolvida por um tribunal de júri na primeira instância.

O tribunal de júri decidiu absolver a mulher em setembro de 2014 perante as acusações de ser a autora dos disparos que mataram Filomena Gonçalves, de 80 anos, atingida com 14 tiros numa residência da rua António José de Almeida, em Coimbra.

No recurso de 336 páginas, a que a agência Lusa teve acesso, a defesa alega várias inconstitucionalidades, bem como a nulidade do acórdão, a violação das regras sobre a prova vinculada e valoração de provas proibidas, a violação do princípio ‘in dubio pro reo’ (em caso de dúvida, favorece-se o arguido) e “erro notório” de apreciação de prova por parte da Relação de Coimbra.

Nesse documento, Mónica Quintela critica o sistema de justiça por permitir que os dois juízes da Relação tenham uma decisão “radicalmente” oposta à decisão de um tribunal de júri, “em que o povo está maioritariamente representado”, composto por três juízes e quatro jurados.

A advogada de defesa sublinha que à Relação não é pedido “nem consentido que proceda a um novo/segundo julgamento”, sob o pretexto da reapreciação da prova, referindo que a decisão dos dois juízes “nada compreendeu” e acima de tudo “quis proteger uma investigação”, criticada pelo tribunal de júri na leitura da sentença na 1.ª instância.

Na altura, foi sugerido que a PJ de Coimbra cometera alguns erros na obtenção de prova.

Os dois juízes da Relação, no entender da defesa, não quiseram “afrontar os poderes instituídos”, ao não considerarem a possibilidade de uma investigação “distorcida” por parte da PJ.

A defesa vai ainda contra a conclusão da Relação de que os resíduos encontrados no blusão da inspetora da PJ resultaram de disparos, recordando a contaminação de prova que terá havido, visto que antes do exame pericial o blusão foi fotografado no chão da brigada de homicídios da PJ de Coimbra.

One Comment

  1. Irondina Lopes says:

    Este caso não é único . Juízes protetores de colegas, independentemente de serem ou não criminosos… Isso não importa!. O que importa é levarem a vida serena como se nada fosse, acima das leis e de toda a sociedade.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.