AAC exige revisão do Processo de Bolonha

Posted by
FOTO DR

FOTO DR

A Associação Académica de Coimbra (AAC) vai realizar uma iniciativa simbólica no Dia do Estudante, a 24 de março, para chamar à atenção para a necessidade de revisão do Processo de Bolonha.

Os estudantes de Coimbra aprovaram, em assembleia magna na noite de segunda-feira, a realização de uma iniciativa simbólica no Largo D. Dinis, na Universidade de Coimbra, em que na estátua do antigo rei de Portugal estará “um professor” e os estudantes “sentados por baixo dele”, de forma a alertar para um ensino “muito centrado no docente”, disse à agência Lusa o presidente da AAC, José Dias.

“É prioritária a revisão do Processo de Bolonha”, considerou o dirigente estudantil, sublinhando que os modelos de aprendizagem aplicados com esse documento europeu não têm sido “benéficos” para os alunos portugueses.

Na assembleia magna, os estudantes aprovaram também o regresso da presença da AAC aos Encontros Nacionais de Académicas (ENA) e aos Encontros Nacionais de Direções Associativas (ENDA), nove meses depois de terem determinado a saída do movimento associativo nacional.

A rutura com o movimento surgiu após a recusa da AAC em almoçar com o primeiro-ministro, então Pedro Passos Coelho, no Dia do Estudante, 24 de março. Perante essa decisão, a academia foi recebida com “hostilidade e repressão” dentro do seio do movimento associativo, não tendo visto “vontade de se trabalhar em conjunto por parte de algumas estruturas”.

Agora e face a um “contexto político completamente diferente”, a mais antiga associação de estudantes do país vai voltar a participar em ENA e ENDA, mas “sem exercer o direito de voto”, afirmou José Dias.

Segundo o dirigente estudantil, este não é um regresso efetivo, pois a AAC vai apenas participar na discussão das diferentes temáticas abordadas, recusando-se a participar nos momentos de decisão do ENA e ENDA por não concordar com o atual modelo.

José Dias frisou que o objetivo da AAC é levar até ao movimento associativo nacional a discussão em torno do modelo de decisão, que neste momento é feito de modo “nominal” e não “por voto proporcional”. Ou seja, atualmente, associações que representem 1.000 estudantes têm o mesmo poder de voto que estruturas que representem 20.000.

O presidente da AAC afirmou que a proposta de reformulação do modelo de decisão deverá ser apresentada no ENDA que se vai realizar em junho.

Durante a assembleia magna, ficou também determinado que a associação vai convidar o Presidente da República e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) para visitarem a 17 de abril as residências universitárias de Coimbra, que se encontram em “condições deficitárias”, aproveitando o momento para debater um reforço da ação social direta e indireta.

Os estudantes reprovaram ainda uma proposta de apoio de transporte aos estudantes da Universidade de Coimbra que quisessem participar na manifestação nacional de estudantes, marcada para 15 de março, em Lisboa.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.