Estrangeiros asseguram 28 mil postos de trabalho na região Centro

Posted by
ANA ABRUNHOSA. FOTO DB/LUÍS CARREGÃ

ANA ABRUNHOSA. FOTO DB/LUÍS CARREGÃ

O Investimento direto estrangeiro (IDE) na região Centro gera um volume de negócios equivalente a 22 por cento do produto regional, assegurando 28 mil postos de trabalho na região.

Esta é uma das conclusões de um estudo da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), que tem vindo a acompanhar o IDE na perspetiva de aprofundamento do conhecimento sobre a presença de empresas estrangeiras na Região Centro, no esforço de captação e acolhimento de novas iniciativas e no acompanhamento de eventuais obstáculos à atividade destas empresas.

Ana Abrunhosa, presidente da CCDRC, sublinha que “a CCDRC congratula-se com estes resultados, que refletem o facto da região Centro ser cada vez mais atrativa para os investidores”. “É uma prioridade da CCDRC acompanhar os projetos de IDE instalados ou que se pretendem instalar na região, bem como apoiar os esforços nacionais para captação de novos investimentos”, sublinhou.

Versão completa na edição impressa

5 Comments

  1. Henrique Costa says:

    Se se tirar a fábrica do grupo PSA… quanto é que fica? Vamos ser realistas, a zona Centro é um flope económico onde uma pequena nomenklatura de funcionários públicos põe e dispõe dos recursos regionais garantindo uma grande qualidade de vida apenas aos seus!!! A culpa? É dos habitantes que andam só distraídos com o ópio do povo desta década, a ecologia, o social, as minorias, etc, etc

  2. Parabéns.Nunca tínhamos vistos nada assim.Assim talvez já se justifice a existência da CCR.

  3. O Cenrtro não passa duma realidade virtual,para alimentar meia duzia de pa-r-asitas e sues apaniguados.Mas lá que parecem lapas parecem.

  4. Zé da Gândara says:

    Se calhar, nos tempos em que existia a Marcopolo, essa percentagem era um nadinha melhor, não achará a douta Sôdôtôra Ana Abrunhosa?
    Tem vindo a público e quem tiver um mínimo de bom senso também chegará facilmente a essa conclusão, que o anterior HUC (antes da fusão com o CHC) era o maior empregador do concelho – e também do distrito, já que o Distrito de Coimbra em termos económicos é uma nulidade… Depois disto, o que fica? Meia-dúzia de arrozeiros primos do Vittorio Casamonica no Vale do Mondego que vivem à custa de subsídios da PAC e que de tão tacanhos que são, nem sequer conseguem valorizar a própria produção através da integração da cadeia de valor até à disribuição?
    Ah… Os chicos-espertos hoje em dia venerados como semi-deuses a que se instituiu o tratamento por empresários e que têm actividades económicas baseadas no modelo económico Chinês (elecromecânica, metalomecânica e até mesmo no sector agroalimentar, não obstante andarem constantemente pelos jornais e até em direitos de antena cirúrgicos) são uma fauna pouco recomendável e que diria mesmo que gangrenam o espírito de economia de mercado e mesmo do liberalismo advogado por Ian Smith… Mas como vão sendo bajulados e alimentados pelo orçamento de estado e até mesmo por câmaras municipais, tendem a não desaparecer mas também nunca deixam de continuar enfezados porque ainda vivem no tempo e espírito virtuoso do Condicionamento Industrial do Botas…
    Resta depois a casta dos funcionários públicos de topo que se mantêm no poder à conta do caciquismo existente e que dão um ar de elite nos meios de comunicação do regime mas que na verdade primam por défice de capacidade e de inteligência porque perante a floresta apenas conseguem ver a árvore, situação que redunda no atraso endémico em que caiu a zona Centro face a outras zonas do país, que pese a eurofagia e prostituição económica a que este país tem sido votado depois da adesão à CEE, mesmo assim fazem por se desenvolver…
    Em breve, Coimbra será a capital do Alto-Alentejo…

  5. Tantos comentários e esquecem-se de dizer o mais importante, a Região Centro apesar de tudo é pasme-se a que tem a MENOR taxa de desemprego do País.Eu cá não a troco por nenhuma outra do e sei do que falo porque já vivi na região de Lisboa e também na zona Norte e a qualidade de vida no geral é superior às outras regiões que menciono. Além disso temos também mais um ponto a nosso favor que é a localização da região.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.