Governo garante recursos europeus para as boas estratégias regionais

Posted by

castro_almeida

O secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Manuel Castro Almeida, disse hoje em Idanha-a-Nova que os recursos europeus não vão faltar ao serviço das boas estratégias dos territórios.

“O objetivo central do Portugal 2020 vai ser a competitividade da nossa economia. Esta é a estratégia nacional para todo o território [país]”, disse o governante, em Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, na sessão de abertura da iniciativa “O PROVERE e os territórios de Baixa Densidade na Região Centro”, promovido pela comissão diretiva do Mais Centro.

Castro Almeida deixou um apelo para que todos os intervenientes se apliquem na identificação das oportunidades e adiantou que “os recursos europeus não irão faltar ao serviço das boas estratégias dos territórios”.

Contudo, alertou também para o facto de que só vale a pena investir o dinheiro público se houver boas estratégias locais, de negócio e empreendedoras.

O governante sublinhou ainda que não aprecia o termo baixa densidade, porque considera que viver em territórios de baixa densidade não é um problema.

“O problema é dos baixos rendimentos. Há uma coincidência em Portugal entre a baixa densidade e os baixos rendimentos. Este é o problema que temos que encarar de frente. É um problema sério”, explicou.

Segundo Castro Almeida, os territórios de baixa densidade têm obrigatoriamente que aumentar a competitividade da economia, a riqueza e, por essa via, aumentar o emprego.

Mas Castro Almeida admitiu que a base produtiva “é muito difícil” nestes territórios e adiantou que estão a partir de “uma base muito inferior à média nacional”.

“Para um país diferente, temos que ter soluções diferentes para uma estratégia comum”, referiu.

Castro Almeida entende, no entanto, que o Portugal 2020 tem um conjunto de soluções para resolver estes problemas da debilidade do tecido produtivo das regiões de baixa densidade.

Porém, o governante deixou bem claro que se deve fazer uma avaliação séria e rigorosa daquilo que “está a correr bem e do que está a correr mal. Isto passa por medir resultados”.

“Quem tiver uma boa ideia de negócio e iniciativa deve ter a oportunidade de participar na gestão dos fundos. O dinheiro tem que estar ao serviço de uma boa estratégia”, disse.

One Comment

  1. Enquanto existirem "Associações de Desenvolvimento", vulgo DLBC´s, a estoirar dinheiro do povo e a encher os bolsos de alguns, este dinheiro vai continuar a ser queimado à frente dos olhos de toda a gente!!!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.