Opinião – Justiça não é vingança e vingança nunca é justiça

Posted by
Marinho Pinto

Marinho Pinto

É mesmo necessário prender um cidadão fora do flagrante delito, e sem haver perigo de fuga, para ser interrogado sobre os indícios dos crimes que lhe são imputados?

É mesmo necessário para realização da Justiça que esse cidadão, depois de preso, esteja um, dois, três, quatro ou mais dias à espera do interrogatório para que, justamente, tinha sido preso?

Se é mesmo necessário, então porque é que não é aplicada a mesma medida aos magistrados quando são suspeitos de um crime, já que os magistrados só podem ser presos em flagrante delito?

O José Sócrates pôs fim a alguns dos mais escandalosos privilégios que havia na Justiça e na Política, em Portugal.

Por isso, o que espero é que esta humilhação pública a que está a ser sujeito não seja uma mera vingança daqueles a quem ele tirou alguns privilégios.

Acredito que um dia, em Portugal, a Justiça há de ser administrada de acordo com os seus fins constitucionais e sem suscitar dúvidas a ninguém de que seja uma vingança mesquinha e corporativa.

A Justiça não é vingança e a vingança nunca é justiça.

2 Comments

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.