Finanças das juntas preocupam câmara de Montemor-o-Velho

11 REUNIÃO CAMARA MONT CT

vereador Jorge Carmaneiro fez “referência à situação financeira aflitiva da Junta de Freguesia de Pereira [dívida que ultrapassa os 26 mil euros]”, motivada por “uma gestão danosa da causa pública”.

O autarca da CDU referiu que a “junta alega que não tem meios” para contornar a dívida. Neste sentido, solicitou à autarquia a possibilidade de indagar apoio humano e/ou financeiro, que de alguma forma permita “uma auditoria ou análise mais alargada às contas”.

Em resposta, Emílio Torrão afirmou que “corroborava com as palavras” do autarca da CDU. Não obstante, referiu que aquela não é a única junta do concelho a passar dificuldades e exemplificou com as juntas de freguesia de Santo Varão e da Carapinheira.

Versão completa na edição impressa

6 Comments

  1. antónio says:

    Mas ainda não explicaram o que retiraram da Urb. Quinta de São Luiz e já estão na falência ou será que o anterior presidente por onde passa deixa tudo de mãos abanar (Empresa rasteiro, cruz vermelha, junta de pereira) possivelmente a consequência PRISÃO

  2. Zé da Gândara says:

    O Marquês de Pombal reencarnou na pessoa do edil de terras de Fernão Mendes Pinto… Houve uns tantos olheiros da política que disso mesmo se aperceberam quando se iniciou a preparação da campanha eleitoral… Vide sff http://autarquicas-2013.blogspot.pt/2012/11/cm-mo
    MMV será o epicentro da cura e recuperação de Portugal… Ainda hoje era noticiado num outro diário regional o facto de o mesmo edil se ter apressado a intaurar uma providência cautelar contra o Estado Português para evitar a consumação do encerramento das escolas do primeiro ciclo do Tojeiro e Tentúgal, depois de alguém da DRE ter tentado convencer o edil de MMV a ficar de braços cruzados… É assim que se combate a dívida pública porque aquilo que os municípios gastarem em providências cautelares, advogados, consultores jurídicos e de natureza tão diversa quanto supérflua, já não o gasta o Estado Central a fazer negociatas debaixo da mesa com boches corruptos e tidos como corruptos na Bochelândia… Apertar o cinto é para a populaça grunha…

  3. Zé da Gândara says:

    Qual problema financeiro, qual quê? O problema é económico e a emissão de papel-moeda dinamiza a economia e resolve o problema financeiro… Keynes deve estar na tumba a contorcer-se de raiva por ninguém o escutar, à excepção do nosso querido líder!

  4. Zé da Gândara says:

    Bem entendido que o papel-moeda a ser impresso, deverá ter a efígie do nosso querido líder… Para a designação desta nova moeda, aceitam-se propostas. Na parte que me toca, proponho que a nova moeda se designe “canastrão”, sem que canastrão seja ou pretenda estar ligado ainda que subliminarmente ao nosso querido líder.

  5. Zé da Gândara says:

    Vamos todos adoptar o penteado do nosso querido líder!

  6. Zé da Gândara says:

    http://www.publico.pt/sociedade/noticia/camaras-d

    Pelos vistos, para os lados do Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra sopram outros ventos que não os que sopram por terras de Fernão Mendes Pinto… É o que se passa quando um jogador de um clube de reduzida dimensão é contratado por um clube grande… Deixa de ter encostos, deixa de ter influência sobre a demais equipa que trabalhava literalmente para ele e em prol da vedeta da equipa, deixa de contar com o "fechar de olhos do árbitro" que sempre tinha alguma dificuldade em puxar dos cartões para sancionar a vedeta da equipa, deixa de contar com o apoio incondicional da massa associativa para passar a ser avaliado e sujeito a escrutínio de uma massa associativa ávida de resultados e de boas exibições que não se inibe de criticar e assobiar o jogador et voilà, lá se foi o promissor jogador que nunca passou mesmo disso: uma promessa, coisa que na política, se sabe que raramente (para não dizer nunca), se cumpre… Valha-nos ainda assim mais um product placement bem sucedido e com mediatismo a nível nacional e um bode expiatório para a afirmação de um mártir perseguido por tudo e por todos… Será que o DB irá publicar a notícia que o Público se apressou a divulgar?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.