Tribunal julga “improcedente” providência cautelar de Vilela

Posted by

12 DECISAO PROVIDENCIA AAC CJM  (41)Tribunal de Coimbra. A providência cautelar, interposta pelo candidato derrotado nas últimas eleições para a direção-geral da Associação Académica de Coimbra (AAC), foi julgada “improcedente” pelo Tribunal de Coimbra.

Samuel Vilela exigia a impugnação da 2.ª volta das eleições para a AAC, devido ao alegado desaparecimento de 141 boletins de voto sobrantes e à discrepância de votos na urna 17, instalada na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, entre a 1.ª e a 2.ª volta das eleições.

O candidato da lista A (Mais Academia) alegava que o delegado da Comissão Eleitoral transportou a urna no segundo dia da votação da 2.ª volta, sem a participação dos delegados das listas candidatas, tendo desta forma viciado os resultados.

Apesar de não ter dado provimento à impugnação dos resultados eleitorais, a juíza Fernanda Almeida não poupou críticas à forma como decorre o ato eleitoral na maior associação estudantil do país. A magistrada judicial considera-a mesmo “incipiente, quase doméstica”.

 

Ver versão completa na edição impressa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.