Banda Desenhada – A Águia e os Lobos

Posted by

Aguias de Roma

Quase em simultâneo com a edição original francesa, a Asa lançou em final de 2013 o quarto livro da série “As Águias de Roma”, título que assinala a estreia do desenhador suíço Enrico Marini como argumentista.

Protagonizada por dois homens, Marcus, filho de um oficial romano e Ermanamer, filho de um príncipe da Germânia, levado para Roma como refém e rebaptizado Caius Julius Arminius, que são criados juntos como irmãos, mas que o destino irá colocar em lados diferentes da barricada, a história de “As Águias de Roma tem por base acontecimentos históricos reais das Guerras Germânicas.

Acontecimentos esses, ocorridos no século I e que culminaram com a batalha da floresta de Teutoburgo, no ano 9, em que o exército romano foi massacrado pelas tribos germânicas comandadas por Armínio, obrigando as tropas de Roma a retirar para cá do rio Reno, que se manteve como uma das fronteiras do Império romano durante séculos.

Tal como acontece com “Murena”, de Dufaux e Delaby, outra série tendo como pano de fundo o Império romano, que a Asa também está editar em Portugal, em relação a Lucius Murena, Marini também cria um personagem fictício, como Marcus, colocando-o a interagir com personagens históricos, como Arminius e Varos, de modo a criar uma intriga ancorada nos factos históricos. Mas se compararmos as duas séries, é evidente o maior peso da acção sobre a intriga em “As Águias de Roma”, consequência lógica de Marini ser, antes de tudo, um desenhador.

Ao contrário de “Murena”, em que o traço rigoroso do malogrado Philippe Delaby, ao serviço de uma rigorosa reconstituição histórica, servia sobretudo para fazer avançar a intriga, Marini opta por desenvolver bastante as sangrentas cenas de combate. Cenas complexas e bem coreografadas, desenhadas com grande realismo, mas sem abdicar de uma dimensão espectacular, patente no uso de poucos quadrados por página, a sua maioria num formato panorâmico, que permite enquadramentos mais épicos e cinematográficos.

Também em termos de cor, o trabalho de Marini é notável, com os tons frios e cinzentos das paisagens da Germania a dominarem este álbum, em contraste com as cores mais luminosas dos dois primeiros álbuns, cuja acção decorria sobretudo em Roma.

Um dos mais dinâmicos e espectaculares desenhadores realistas europeus, Marini mostra aqui que também é um bom argumentista, criando personagens complexos, por quem o leitor se interessa. Nesse aspecto, a ambiguidade de Arminius, dividido entre a sua amizade por Marcus e a vontade de libertar o seu povo do jugo romano, está bastante bem explorada.

Se Marini não alterar as suas intenções iniciais, a série terminará no próximo volume, com a batalha de Teutoburgo. E, mesmo sabendo qual das partes saiu vencedora, isso não diminui em nada a minha expectativa em relação ao capítulo final desta excelente série, que afirmou Marini como um autor completo.

 (“As Águias de Roma – Livro IV”, de Marini, Asa, 60 pags, 16,50 €)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.