Universidade de Coimbra em missão forense em valas comuns no Mali

Posted by
DR

DR

Uma equipa da Universidade de Coimbra participou numa missão forense, no Mali, entre 19 e 22 de dezembro, procedendo a perícias em 25 corpos encontrados em valas comuns, na sequência dos conflitos que assolam o país.

A equipa de peritos, das áreas de Medicina Legal e de Antropologia, integrou a missão humanitária organizada pela organização Justice Rapid Response, contando com o apoio do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, segundo um comunicado enviado pela Universidade de Coimbra (UC).

Amadou Toumani Touré foi deposto no golpe de Estado de março do ano passado, no Mali, seguindo-se uma série de atrocidades cometidas pelos homens de Amadou Sanogo contra os militares considerados fiéis ao presidente deposto.

Após o golpe, grupos jihadistas tomaram o controlo do norte do país. Esses grupos, ligados à Al-Qaeda, foram enfraquecidos por uma intervenção militar francesa lançada em janeiro, mas alguns de seus membros continuam ativos na região.

A 17 de dezembro, o partido do presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, e as formações políticas aliadas, obtiveram a maioria absoluta na segunda volta das eleições legislativas.

Cristina Cordeiro, Duarte Nuno Vieira, Eugénia Cunha e Teresa Ferreira foram os elementos da Universidade de Coimbra que integraram a missão no Mali.

Segundo a nota de imprensa, Duarte Nuno Vieira, professor da Faculdade de Medicina da UC, participou também, recentemente, noutras duas missões em África.

O professor catedrático Duarte Nuno Vieira avaliou e identificou as necessidades das estruturas médico-legais e forenses do Egito, entre 16 e 18 de dezembro, a convite do Gabinete Contra as Drogas e o Crime das Nações Unidas, tendo estado também no Gana, em novembro, numa missão do Relator Especial das Nações Unidas Contra a Tortura e outros tratamentos ou punições, na qualidade de consultor forense.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.