Trabalhadores da Soporcel voltam a exigir reunião com administração

Posted by

 

 

Jot' Alves

Jot’ Alves

Trabalhadores da papeleira Soporcel, situada em Lavos, Figueira da Foz, reafirmaram sexta-feira, em plenário, a exigência de uma reunião com a administração da empresa, negada em dezembro, para serem esclarecidos sobre o novo fundo de pensões.

Sexta-feira, durante o plenário que se prolongou por quase quatro horas e que contou com a presença de cerca de 300 trabalhadores da empresa, foi decidido que a comissão sindical vai avançar, de imediato, com novo pedido de reunião, sustentada, entre outros pontos, na alegação de que os funcionários não deram a sua concordância ao novo fundo de pensões.

Por outro lado, a estrutura sindical que representa os trabalhadores da papeleira – a maior empresa do concelho da Figueira da Foz e uma das maiores do país – vai pedir segunda-feira uma reunião “com caráter de urgência” ao Instituto de Seguros de Portugal, entidade que regula a criação de fundos de pensões, disse António Moreira, coordenador da União de Sindicatos de Coimbra.

A 27 de dezembro de 2013, também em plenário, os trabalhadores exigiram a suspensão do processo no novo fundo de pensões e uma reunião com a administração, tendo promovido um abaixo-assinado nesse sentido, que recolheu 454 assinaturas.

De acordo com o sindicalista, a empresa recusou o pedido de reunião, alegando que estava a tratar “diretamente” a questão com os trabalhadores “e não via razões” para receber a estrutura sindical.

“É preciso transparência neste processo e a Soporcel tem tido um comportamento que não ajuda os trabalhadores, que querem tomar uma decisão e estão presos por detalhes que não são do seu conhecimento”, alegou António Moreira.

Grande parte do plenário de hoje foi dedicada a questões técnicas relacionadas com o novo fundo de pensões, a cargo do economista Eugénio Rosa, que fez parte da comissão de acompanhamento da transferência do fundo de pensões da Portugal Telecom para a Caixa Geral de Aposentações.

O economista definiu a questão do novo fundo da Soporcel como “extremamente complexa”, do domínio da engenharia financeira, avisando que a maioria dos trabalhadores “não domina” a questão.

“A empresa, primeiro, tem de explicar no concreto quais os pressupostos [na base do novo fundo] para depois percebermos quais as condições apresentadas. Só depois podemos encontrar elementos para contrapor aos elementos da empresa”, argumentou.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.