Fenprof denuncia falta de terapeutas nas escolas

Posted by

mario nogueira

O secretário geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof) considera que “o ministro da Educação tem uma visão segregadora do que é a inclusão das crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais (NEE)”.

Mário Nogueira sublinha que uma parte dos casos de NEE são considerados “situações meramente clínicas, afastando assim das escolas milhares de jovens que necessitam de apoio, a nível social e de outras questões como dislexias ou outras, que não são classificadas como deficiências”.

Mário Nogueira lamentou que se estejam a dar passos atrás, precisamente no país que “subscreveu em 1994 a Declaração de Salamanca, a mais importante nesta matéria, mas que já tinha legislação sobre a inclusão de crianças e jovens com NEE desde 1991, estando assim na vanguarda” da Europa.

“Temos uma legislação e comportamentos de segregação. Temos políticas que abrem a porta para segregar, para afastar e para por de fora milhares de alunos”, frisou.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.