Opinião – Profissão: político

Posted by

RUI CURADO DA SILVA

Rui Curado da Silva

Numa democracia saudável não existem políticos de profissão. Cidadãos independentes ou com filiação partidária são eleitos para mandatos que têm um princípio e um fim.

Antes do 25 de Abril não era assim, os mandatos dos detentores de cargos políticos sucediam-se sem escrutínio, o próprio Salazar foi um presidente do conselho vitalício. A noção de mandato era desvirtuada a favor de um tacho certamente vitalício se o detentor do cargo fosse obediente ao partido único.

Quase 40 anos depois, encontramos personagens com a mesma ambição. Formam-se nas “jotinhas” relegando para segundo plano os estudos e, como a formação é fraca, esperam a sua vez fingindo que trabalham em empresas muito implicadas com o próprio partido.

Geralmente obtêm o primeiro mandato graças a um lugar secundário numa lista para um órgão político, lugar, esse, elegível nos partidos do arco do poder. Os mais habilidosos saltitam entre mandatos municipais, a Assembleia da República, secretarias de estado e direções de empresas públicas.

São indivíduos sem profissão, que não sabem fazer quase nada, mas que ambicionam fazer da política uma profissão, como no tempo do Salazar. Miguel Relvas, Passos Coelho e José Seguro são três exemplos dessa forma de estar na política. Por bons e maus motivos, os portugueses estão agora mais atentos a esta realidade. A nível local, os figueirenses também já toparam esses artistas, mas o melhor é que os próprios artistas estão a perceber que estão a ser topados…

One Comment

  1. uniaonacional says:

    Miguel Relvas, Passos Coelho e José Seguro , socrates etc não tinham categoria para fazerem parte de qualquer governo no estado-novo !

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.