Isabel Cardoso devolveu pelouros a João Ataíde na Figueira Foz

Posted by
Arquivo

Arquivo

Isabel Maranha Cardoso, eleita nas listas do PS como independente, tal como João Ataíde e o vereador António Tavares (executivo camarário sem maioria absoluta só tem um militante do partido, Carlos Monteiro), detinha os pelouros da modernização administrativa e o das finanças municipais.

A vereadora e o presidente entraram em rota de colisão aquando da aprovação, pela oposição PSD e Figueira 100%, dos serviços municipalizados de turismo.

Recorde-se que a proposta de João Ataíde, que previa a criação da divisão de turismo, foi chumbada, na mesma reunião de câmara em que foi aprovada a constituição dos referidos serviços.

Lembre-se ainda que Isabel Maranha Cardoso era administradora executiva da extinta empresa municipal Figueira Grande Turismo (FGT) e que a proposta da criação dos serviços municipalizados partiu da administração cessante desta estrutura.

Isabel Maranha Cardoso tem sido solidária com a proposta, apesar de se ter declarado ausente da reunião de câmara na hora da votação, devido ao duplo papel de administradora e vereadora que desempenhava à época.

Hoje, 30, realiza-se uma reunião de câmara extraordinária, marcada para debater, precisamente, os serviços municipalizados de turismo, em relação aos quais João Ataíde continua a opor-se, não obstante terem sido aprovados pela câmara.

A devolução dos pelouros, segundo fonte socialista próxima da autarquia figueirense adiantou ao DIÁRIO AS BEIRAS, está relacionada com este assunto.

De salientar ainda que as contas da Câmara da Figueira da Foz foram aprovadas ontem pela assembleia municipal, documento da responsabilidade de Isabel Maranha Cardoso.

A vereadora entregou a carta de devolução dos pelouros a João Ataíde no final da sessão da assembleia municipal, mas deverá cumprir o mandato até ao fim.

One Comment

  1. João Paulo Tomé says:

    Conforme tem sido público, procuro sempre apoiar as iniciativas que se me afigurem "a bem do Concelho e dos Figueirenses" na Assembleia Municipal. Mesmo que algumas das minhas intervenções levem os outros Partidos Políticos a apludirem de viva voz e com aplausos (coisa muito rara e que a Comunicação Social esconde do público).
    Sou e serei sempre contra duas situações que apenas geram confusões e acções reprováveis:
    1.- A diluição de responsabilidades individuais como forma de fugir a prestação de contas (actividade muito vulgarizada na política profissional);
    2.- A ultrapassagem dos limites de responsabilidade individual por terceiros, como forma de "tentar lixar" os responsáveis.
    Quer-me parecer estarmos perante esta segunda situação que, para além de reprovável, nada de bom abona aos terceiros….
    Até agora, o Executivo camarário apenas terá de agradecer à vereadora Isabel Cardoso a quem fica a dever pedido de desculpa público.
    João Paulo Tomé dos Santos (BE)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.