Forvel “era quase a Auto Europa de Cantanhede”

Posted by
Foto Carlos Jorge Monteiro

Foto Carlos Jorge Monteiro

Tinha 21 anos quando entrou na Forvel, fábrica que ficou famosa pelas de motos que saíam de Cantanhede para o mundo. Francisco Santos, hoje funcionário da Câmara Municipal de Cantanhede, tinha saído há pouco da escola técnica quando surgiu a oportunidade de trabalhar na empresa do concelho onde residia.

E, como agora recorda, trabalhar na Forvel era trabalhar “na empresa”. Vivia-se o ano de 1979 e o jovem Francisco Santos, ainda solteiro, não desperdiçou esta oportunidade de trabalho, onde “recebia seis mil escudos por mês”.

Não foram muitos anos, mas foram os suficientes para “marcar” a vida de Francisco Santos.

Recuemos até 1979, altura em que Francisco foi para a fábrica – “não me recordo exatamente do ano em que foi criada” – e onde partilhava o dia-a-dia com cerca de 100 colegas. O desenhador, que fazia equipa com outros elementos, lembra-se que em 1976 a Forvel “tinha uma produção mensal de 150 unidades de tricarros e nesse mesmo ano iniciou a produção de veículos a duas rodas (VIP2)”.

E tinha, disso Francisco Santos também se recorda, “uma linha de produção e algumas máquinas bastantes evoluídas para a época”, por isso, não se estranha a evolução que teve. Aliás, em 1980 surgiu um modelo “125 cc com motor japonês Hodaka, monocilíndrico, dois tempos e cinco velocidades que atingia cerca de 120 quilómetros por hora”.

Notícia completa na edição impressa

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.