Opinião – João Dixo, mestre, artista e amigo cultural

Posted by

Mário Nunes

No universo das pessoas que se cruzam no quotidiano das nossas vidas, há algumas que, pelas mais diversas razões, constroem, entre nós, laços de admiração, respeito, amizade e companheirismo, atributos que moldam a sua figura.

Está neste universo o docente e artista plástico (pintor), João Dixo. A forma como correspondia ao diálogo, atendia as solicitações, participava e organizava eventos culturais e estimulava os promotores de iniciativas de âmbito artístico/cultural, fizeram dele e para nós, um senhor de esmerada educação e simpatia, de elevada estatura social, intelectual e empreendedora.

Foram estes e outros valores semelhantes que colhemos do Dr. João Dixo, nos muitos e frutuosos encontros que tivemos e em que reunimos, analisámos e deliberámos projectos e acontecimentos que vieram a ser concretizados.

Por isso, ao lermos na comunicação social, estando em férias, a morte inesperada deste homem de cultura, da arte e do ensino, ficámos tristes, lamentando, profundamente, o desenlace precoce de alguém que será sempre recordado pelo trabalho qualitativo que produziu na área artística, pelo sentido de cooperação institucional e particular que operou, pela fecundidade da sua docência e pela disponibilidade, sempre activa, em dar o seu apoio e opinião sobre os temas e assuntos culturais que lhe eram propostos, sem esquecer as suas capacidades mobilizadoras e inovadoras.

A nossa amizade com João Dixo foi adquirida, como se compreende, através da cultura, uma fonte que alimenta e distribui as mais diferentes atitudes humanas, porque a cultura gera amizades e cimenta valores de identidade e de progresso do homem, que jamais se olvidam. Edifica pilares indestrutíveis e corporiza ideais e iniciativas que abraçam percursos de vida e são norteadores de princípios educacionais que se traduzem numa existência que jamais fenece, porque sublimada por aqueles valores.

Neste conjunto de testemunhos que avalizam a nossa amizade, sublinhamos, entre muitos aspectos, a sua presença em júris, quando presidimos ao GAAC, e, posteriormente, na vereação da Cultura da Câmara de Coimbra, dando como exemplo o monumento comemorativo, junto ao Mondego, na Portagem, alusivo aos 10 anos da morte de Miguel Torga e ao centenário do seu nascimento; as intervenções em exposições de pintura na Casa da Cultura; as opiniões escritas para catálogos de arte; os conselhos fornecidos no respeitante à qualidade de obras de arte; sem esquecer os elementos que nos forneceu sobre o conjunto escultórico das Colunas, junto da Fucoli, como projecto da ARCA/EUAC, e que incluímos no livro que elaborámos e editado pela Minerva, intitulado: “Estátuas de Coimbra”.

Por toda a amizade que nos ofertou e pelo que deu e deixou aos homens e à cultura, impõe-se nesta hora honrar a sua memória. Que descanse em paz.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.