Investigadores consideram que abertura de vagas é positiva, mas não resolve precariedade

Posted by

Os investigadores que na sexta-feira divulgaram um documento a apelar ao investimento na ciência consideram positiva a anunciada abertura de 200 a 300 vagas para cientistas, mas salientam que isso não resolve a precariedade da classe.

A secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, anunciou sábado à noite na Figueira da Foz que no próximo ano serão abertas 200 a 300 vagas para investigadores da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

A governante adiantou que o Ministério da Educação e da Ciência prevê abrir concursos anuais para investigadores FCT, de modo a conseguir “manter no sistema científico e tecnológico 1.000 a 1.200 investigadores”.

“Claro que é uma boa notícia, mas eu penso que essas 200 ou 300 vagas só vão prolongar a situação dos investigadores de ciência dos últimos anos”, considerou Ana Bastos, da Comissão de Bolseiros da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), que na sexta-feira divulgaram uma carta aberta ao ministro da Educação a alertar para o atraso nos pagamentos aos bolseiros e a pedir medidas urgentes para uma situação que “pode inviabilizar” a produção científica.

Ana Bastos salientou que nos últimos anos foram abertas vagas para os chamados investigadores de ciência, que são contratos plurianuais, e que permitem alguma segurança aos investigadores.

“No entanto, não deixam de ser contratos temporários”, destacou.

No documento que dirigiram na sexta-feira ao ministro da Educação e Ciência, intitulado “Sem Ciência não há futuro”, 116 bolseiros da FCT e docentes universitários destacam atrasos no pagamento de vencimentos, na renovação de contratos de bolsas e no reembolso das prestações de Seguro Social Voluntário daquela entidade.

Os signatários pedem medidas para resolver estas questões, mas também uma política de incentivos para a criação de um mercado de trabalho que absorva esta mão de obra “altamente qualificada”, por considerarem que a aposta na Ciência é “uma das soluções mais eficazes para a saída da crise” económica.

Na carta aberta é realçado que os bolseiros de investigação são jovens recém licenciados, mas também investigadores “altamente experientes de pós doutoramento” e vivem com contratos de bolsa de três, seis ou 12 meses, “não progridem na carreira (que não existe), não têm direito a contrato de trabalho e os seus vencimentos não são atualizados há mais de 10 anos”.

Este grupo profissional “é a população mais qualificada de sempre e, por comparação, a mais precária”, refere o documento, explicando que “nunca os licenciados e doutorados representaram uma percentagem tão elevada dos desempregados”.

Entre os promotores da carta aberta estão a Comissão de Bolseiros da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, a Associação de Bolseiros de Investigação e Ciência (ABIC), o Núcleo de Bolseiros da Universidade de Aveiro e os Precários Inflexíveis (PI).

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.