Repetição

Gonçalo Capitão

Cada dia que passa, ora são mais impostos, ora é a notação financeira que desce, ora a Briosa faz mais um mau resultado para o campeonato

Quase novecentos anos depois da independência, faz-me impressão que haja portugueses a entregar casas aos bancos, bancos a entregarem a alma ao criador, pessoas a chorarem por não terem dinheiro para o passe social ou para os medicamentos

Deixámos o dinheiro mandar tanto que, hoje, creio que a maioria dos cidadãos ocidentais sobrevive apenas. Acho infame que já nem haja a perspectiva de gozar com a família ou com actividades lúdicas parte substancial e final da vida. Não fui eu que inventei o modelo social europeu, mas sou eu um dos que, compreendendo a utilidade, desconto para que os mais idosos possam fruir tranquilamente os seus anos avançados, depois de uma vida de trabalho.

Acho ainda perigoso se deixarmos que o mercado hierarquize e encareça a formação superior dos cidadãos. Queremos chegar ao ponto de certos países mais amantes do mercado desregulado nos quais só um empréstimo draconiano contraído pelos pais permite aos jovens irem para as melhores escolas e em que os jovens recorrem a danças “exóticas” e outros empregos que os deixam sem tempo de estudo? Sei bem que em Portugal estamos, felizmente, a anos-luz de tudo isto, mas a verdade é que a moda europeia de cortar tudo em todas as prestações públicas me faz temer o pior.

Mais longe iremos se falarmos de Cultura, por tradição, o parente pobre da governação. Se dissermos, durante um ano ou dois, às Forças Armadas que não há equipamento novo, creio que a operacionalidade não fica comprometida e estamos a falar, ainda assim, de um orçamento de muitos milhões. Contudo, num orçamento indigente como é, regra geral, o da Cultura, qualquer corte significa menos programação e menos criação.

Significa, portanto, que alguns portugueses “inventarão” ou representarão menos e que muitos outros terão menos momentos de fruição e de libertação espiritual.

Sei bem que esta linguagem merecerá escárnio por parte dos tipos de fato cinzento que mandam em sectores intermédios da sociedade. Todavia, se percebessem que falamos de um sector que não apenas complementa o sujeito como aumenta a boa disposição geral, talvez entendessem que o apoio continuado – e não apenas esporádico e pirotécnico, embora relevante, ao jeito de capitais da cultura – é a melhor maneira de um povo se não deixar tragar pelas forças uniformizadoras da globalização, que nos reduzem a riscos de uma dívida com que alguém quer enriquecer e que mais não é do que a venda de países a retalho…

Sei que já falei disto, mas a verdade é que vou continuar a falar…

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.