Greve nos transportes de Aveiro é quase total

A adesão à greve geral nos transportes municipais de Aveiro (Moveaveiro) ronda os 89 por cento, segundo fonte sindical. Em declarações à Lusa, Jaime Ferreira, do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), disse que dos 30 autocarros que deviam sair até cerca das 08H00 desta manhã (24) apenas saíram quatro.

Nos transportes fluviais, que inclui as lanchas e o ferry boat, a greve atingiu os 100 por cento. “Apenas foi feita uma travessia entre São Jacinto e Aveiro que corresponde aos serviços mínimos”, adiantou o dirigente sindical.

Jaime Ferreira realçou ainda que a PSP foi chamada esta manhã pelos grevistas à sede da Moveaveiro quando o diretor decidiu abrir os portões da empresa.

“Tivemos de chamar a PSP para tomar conta da ocorrência, porque ele estava a fazer uma coisa que não devia fazer”, adiantou o sindicalista, acrescentando que “os encarregados e os revisores, que são as pessoas que normalmente estão vocacionadas para abrir as instalações, estavam de greve”.

Ao nível das autarquias, Jaime Ferreira diz que a paralisação atingiu os melhores resultados na Câmara de Albergaria. “No setor operativo, que são os funcionários que trabalham no exterior, apenas estão a trabalhar três pessoas, duas das quais são contratadas”, referiu o sindicalista. Segundo fonte da Câmara de Aveiro, 56 por cento dos funcionários aderiram hoje à greve.

Para Jaime Ferreira, a paralisação está a ter “bons resultados” em todos os lados e em alguns sítios “superou as expetativas”. “Temos sítios onde havia muitas dificuldades em fazer greves e onde normalmente tínhamos um ou dois por cento de adesão e agora estão com 30 por cento”, alegou.

No setor privado, a União dos Sindicatos de Aveiro fala em 100 por cento de adesão nas fábricas de calçado Christian Dietz e Glesse Neon.

Na fábrica da Renault em Cacia, 85 por cento dos trabalhadores do primeiro turno terão feito greve, segundo o sindicato, que destaca ainda a adesão no grupo corticeiro Amorim nos primeiros turnos com uma taxa de 90 por cento, paralisando a produção da fábrica.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.