Uma queda valente

Este artigo pode, à primeira vista, parecer versar o delicioso trambolhão do Benfica ante a nossa Briosa. Todavia, festejos distantes e, por isso, mais efusivos à parte, do que quero falar-vos é mesmo de uma queda de água: as Victoria Falls, partilhadas pelo Zimbabué e pela Zâmbia, com a parte de leão a caber ao país de Mugabe.

Por vezes, na Europa, mesmo quando a bolsa permite outras aventuras, tendemos a ignorar as paragens africanas, mormente quando fogem aos destinos óbvios como o Egipto, Marrocos, Tunísia, Zanzibar (Tanzânia) e Quénia.

Pois bem, um bom programa, a duas horas de voo de Joanesburgo, é uma estadia em Victoria Falls, localidade do Zimbabué que adquiriu o nome das cataratas descobertas por David Livingstone, que, por seu turno, viria a dar nome à localidade fronteiriça do lado zambiano.

Aí chegado, não hesite: o Victoria Falls Hotel, construído em 1905 no melhor estilo eduardiano, é o seu destino. Serviço clássico, salões majestosos ornamentados com troféus de caça, bem ao estilo colonial, um High Tea que continua a mostrar as melhorias cerimoniais que os britânicos introduziram no costume de beber chá exportado pela nossa D. Catarina de Bragança (uma delícia e um banquete, asseguro-vos) e uma ocasião de jantar ao som de piano e com talhares de prata no L.ivingstone Room. Enfim, vive-se história, como viveram Agatha Christie e Peter Sellers por lá.

Para os que, por esta altura, já estão a chamar-me burguês ou abastado, aconselho prudência, pois a festa sai bem mais barata que um fim-de-semana no Algarve (à excepção dos parques de campismo e similares, bem entendido).

A fazer: a mais de gozar luxuriantes vistas das cataratas e da centenária ponte que liga os dois países, a partir dos terraços de pequeno-almoço e do chá das cinco, as actividades são mais que muitas e vão das mais radicais (bungee jumping – salto da ponte com elástico amarrado aos pés – e rafting – canoagem a alta velocidade) às que lembram mais o National Geographic. O vosso cronista foi pelas últimas e pode sugerir um passeio de helicóptero sobre as Falls, o óbvio passeio junto das mesmas (o lado do Zimbabué é o essencial e chapéu-de-chuva e capa impermeável são obrigatórios), um cruzeiro, com ou sem jantar, no Zambezi (o quarto maior rio africano e autor da famosa queda), para avistar o pôr-do-sol e alguns animais, uma caminhada com leões (assim mesmo, à solta) e um safari às costas de um elefante.

Um dia em Livingstone (Zâmbia) também não é mal passado, sobretudo se gostar de arquitectura do início do século XX, visto tratar-se uma “cidade” que, entre 1907 e 1935, foi capital da North-Western Rhodesia (Rodésia do Norte). O museu com haveres do explorador também vale a visita.

A segurança é garantida, o artesanato acessível e a comida boa. Atreva-se!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.