Opinião: Caminhos de Santiago e Coimbra

Posted by

1. Jornada “Caminho de Santiago e Coimbra”

O Plano Jacobeo da Galicia e o Comité Internacional de especialistas do Caminho de Santiago (cuja representante em Portugal é a Doutora Maria Jose Azevedo Santos, Profª catedrática da FLUC, que muito contribuiu para esta realização em Coimbra) reuniram-se pela 1ª vez em Portugal, na semana passada organizando a Jornada a jornada “Caminho de Santiago e Coimbra”.
Sob a presidência da Reitoria da UC, muitas instituições e figuras da cultura, autoridades eclesiásticas, civis e militares marcaram presença e encheram a imponente Sala de S. Pedro da BGUC.

2. Os Caminhos de Santiago

Actualmente mais de 600.000 peregrinos provenientes de 28 Países de todo o Mundo, percorrem anualmente, mais de 80.000 kms convenientemente identificados e marcados, pelos Caminhos de Santiago. Mais de 60.000 desses peregrinos são portugueses.

O caminho central português parte de Lisboa, passa por Coimbra, segue para o Porto, entra em Espanha por Valença-Tuy. De Coimbra a Santiago de Compostela são 350 kms (uma semana , a 50 kms/dia).

A Rede dos Caminhos de Santiago são rotas de peregrinação, de cultura e de esperança para um Mundo que se pretende e deseja. Elos de união entre povos numa sociedade tão complexa como a dos nossos dias onde o material suplanta largamente o espiritual.

3. O significado da Peregrinação

A Peregrinação (classificada como Património da Humanidade) abrange todos os credos religiosos, não sendo exclusivamente cristã. Percorrida só ou em grupo propõe um desafio solitário e transversal, comum a todas as culturas e religiões.

Ao longo do caminho há em 1º lugar uma confrontação do peregrino consigo próprio (Quem sou eu? Qual é o objectivo da minha vida? O que tenho feito pelos outros?). Em 2º lugar com o grupo onde vai inserido (criando amizades, partilhando apoios e ajudas). Em 3º lugar com aqueles que vai encontrando e o acolhem no seu caminho, nascendo de forma espontânea os deveres de quem acolhe e de quem é acolhido.

4. As razões da caminhada

Se assim for, a caminhada torna-se uma experiência fantástica, existindo três razões principais para a fazer.
A primeira é de natureza apostólica: Santiago é dos 12 apóstolos, o único na Península Ibérica, o que está mais próximo de nós, geográfica e afectivamente. Temos a possibilidade de o interpelar, de nos interpelarmos.

A segunda razão é de natureza espiritual: O caminho percorrido ao ser vivido produz, em quem o faz, um crescimento espiritual que se traduz numa clareza, um discernimento do que somos e para onde vamos.

A terceira razão tem a ver com o futuro; Santiago de Compostela tal como Coimbra duas cidades universitárias irmãs, das mais antigas e históricas do Mundo, onde se prepara o futuro. A confraternização, a troca de ideias, a formação de uma nova geração de lideres para uma sociedade melhor e mais saudável, surge espontaneamente. Ao fim e ao cabo os objectivos da Pastoral de Coimbra.

Dentro de dias (de 24 a 29 deste mês) vai sair de Coimbra um grupo de estudantes universitários em Peregrinação a Santiago. Ao longo do caminho vão reflectir de que modo a vida pode ser longa e bem vivida. De que forma estamos preparados para que isso aconteça? Terminaremos este tema na próxima Crónica.

2 Comments

  1. Poortugues says:

    Uma semana a 50Km dia? Com mochila às costas? Gostava de o ver a fazer em duas!

  2. Lurdes Gonçalves says:

    Obrigada Sr Hélder pela abordagem, para os participantes desta Peregrinação a Santiago, 50 km por dia, vai ser canja!!
    boa sorte.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.