“Há discrepâncias de dezenas de milhares de euros nas contas das últimas Queimas”

Luís Lobo

Este ano, a edição da Queima das Fitas corre o sério risco de perder um dos seus grandes dinamizadores: a Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra (AAC).

Em causa está a (falta de) distribuição dos lucros da festa estudantil nos últimos dois anos, cujos montantes nunca chegaram aos cofres das secções da academia. Quem o garante é Emanuel Nogueira, vice-presidente da Secção, que reiterou o boicote enquanto “estas questões não forem clarificadas”.

“Nos últimos dois anos, verificaram-se discrepâncias na ordem das dezenas de milhares de euros entre os relatórios de contas da Comissão Organizadora e da Tesouraria da AAC relativos à Queima das Fitas. Trata-se de uma situação inaceitável e que deve ser explicada aos estudantes. Enquanto isso não acontecer, e não se perceber que montantes devem ser distribuídos às secções, nós, Secção de Fado, não faremos parte da Queima das Fitas”, afirmou o responsável, em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS.

Antigos organizadores afastam suspeição

Luís Lobo, secretário-geral da Queima das Fitas nas edições de 2016 e 2017 – terminou mandato no passado mês de setembro –, rejeita “qualquer tipo de suspeição ou ações pouco transparentes”, garantindo que toda a gestão das contas se pautou com honestidade e rigor.

“Neste processo, o Conselho Fiscal da AAC pediu mais esclarecimentos sobre os relatórios e sempre tivemos o cuidado de prestar todas as informações sobre os movimentos bancários e a gestão financeira”, frisou Luís Lobo.

Informação completa na edição impressa

One Comment

  1. Armando Cardoso says:

    É regra! Onde haja movimento de dinheiro há habilidades a correr. Entra dinheiro e "tá" tudo contabilizado, descrito e publicado… mas ele nunca chega ao destino e o rasto perde-se. Que diacho… os ratos aparecem em todo o lado, figas.ao diabo.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*