Catarina Requeijo leva a “tralha” da tia Odete à Black Box do Convento

Posted by

Uma grande aventura, sempre com a tralha – “Muita tralha Pouca tralha” – atrás   e as palavras – a rimarem quase sempre, disparatadas algumas vezes, mas com graça em todas as ocasiões –, a servirem de alicerce a um espetáculo para toda a família. Catarina Requeijo, atriz que nasceu para os palcos no Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra (TEUC) e faz agora a sua carreira em Lisboa, colaborando desde 1999 em projetos para crianças em entidades como o CCB e a Fundação Calouste Gulbenkian, veste a pele de Odete, uma tia (muito pouco convencional ou talvez não) que leva hoje e amanhã à Black Box do Convento São Francisco, em Coimbra, o espetáculo com o título “Muita tralha Pouca Tralha”.

Escolher não é tarefa fácil. Escolher o que se leva em viagem também não. Há sempre alguma coisa que pode fazer falta… Quem nunca teve vontade de levar a casa toda? Pois é exatamente o que faz Odete, que viaja com o marido, Alfredo, para ir ver a sobrinha Manuela participar numa corrida de automóveis. Afinal, levam o quê? Pouca tralha? Muita tralha? Apenas o essencial?

A peça vai ser apresentada em duas sessões: hoje, às 15H00, para grupos escolares e outras instituições para a infância; amanhã, às 16H00, para famílias com crianças a partir dos seis anos e o público em geral. O preçário é o seguinte: quatro euros para o público em geral, seis euros para famílias (dois adultos e duas crianças até aos 12 anos ou um adulto e três crianças até aos 12 anos) e dois euros para menores de 12 anos, maiores de 65 anos e grupos (a partir de 10 elementos). Informações e reservas para os seguintes contactos: 239 857 191, bilheteira@coimbraconvento.pt (bilheteira), 239 857 193 (Projeto Educativo e de Mediação de Públicos).

Destinado a todo o público, a partir dos seis anos, “Muita tralha Pouca tralha” – com direção artística de Catarina Requeijo, que assina o texto com Inês Barahona e o assume, sozinha, em palco –, o espetáculo é uma proposta a não perder num final de semana que volta a anunciar-se chuvoso.

A conceção plástica de “Muita tralha Pouca tralha” é de Maria João Castelo, a assistência de encenação é de Victor Yovani e a ilustração é de Maria Remédio, numa coprodução Formiga Atómica Associação Cultural e Maria Matos Teatro Municipal.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*